IX Concurso Contos do Tijuco “JACI DE ALMEIDA”

A L A M I
Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba.
Entidade de utilidade publica municipal – lei 3896.
alamiacademia@yahoo.com.br
www.alami.xpg.com.br

IX Concurso Contos do Tijuco
“JACI DE ALMEIDA”

.Regulamento

1 – A Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba – ALAMI – promove o IX Concurso Contos do Tijuco, uma atividade de caráter literário e cultural sem fins lucrativos, que nessa edição homenageia o saudoso Jaci de Almeida – gráfico.

2 – Poderão inscrever-se escritores de qualquer nacionalidade (desde que o conto seja escrito na língua portuguesa). A inscrição implica na concordância automática com todas as cláusulas desse regulamento.

3 – O conto deverá ser em língua portuguesa, inédito e apresentado em quatro vias digitadas em corpo 12. Cada participante poderá inscrever apenas um conto, sem limite de páginas e sem restrição quanto à forma e ao conteúdo. O concorrente é único e inteiramente responsável por garantir que seu conto seja inédito, sendo responsável, civil e criminalmente, em caso de plágio.

4 – O conto deverá ser enviado em um envelope grande e lacrado, identificado na frente com o nome do concurso. Dentro deste envelope os concorrentes deverão enviar um envelope menor, também lacrado, identificado na parte externa apenas com o título do conto e o pseudônimo utilizado e este envelope menor deverá conter uma folha com os seguintes dados: – nome do conto e pseudônimo, nome completo do autor, e-mail, telefone para contato e pequena biografia.

5 – O prazo para a inscrição termina, impreterivelmente, no dia 31 de outubro de 2014, valendo a data do carimbo do correio. Enviar a inscrição para o seguinte endereço:

ALAMI – Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba –.
Avenida Três, entre Ruas 18 e 20 nº 240 – Casa da Cultura –
Ituiutaba –MG – CEP 38.300.160.

6 – Os contos serão julgados por uma Comissão Julgadora formada por três membros, de notória competência na matéria, não pertencentes à ALAMI.

7 – Ao autor do conto premiado será oferecido como prêmio a quantia de R$400, OO (quatrocentos reais) e certificado e livros da biblioteca da ALAMI.

8 – O conto premiado será publicado no blog da ALAMI – solardaliteratura.blogspot.com.br – e outros sites literários que prestam serviços de divulgação de concursos de contos. A Comissão poderá selecionar mais nove contos, sem classificação, para possível publicação em livro.

9 – O resultado do concurso sairá numa data bem próxima do dia 11 de dezembro de 2014 ou, imediatamente ao término dos trabalhos da Comissão Julgadora. O resultado do concurso será divulgado no blog: www.solardaliteratura.blogspot.com.br – e outros sites literários que colaboram com a ALAMI na divulgação de concursos de contos.

10 – A entrega do prêmio ao ganhador do Concurso e a entrega do “Certificado de Participação” aos autores dos nove contos selecionados será em data a ser informada. – pelo telefone ou e-mail -.

1 – Poderá a Comissão Julgadora deixar de outorgar o prêmio se avaliar que a ele nenhum dos contos faz jus. (não haverá devolução dos contos recebidos, que serão incinerados logo após o julgamento).

12 – Poderá a ALAMI publicar um livro com o conto vencedor e os nove contos selecionados pela Comissão Julgadora.

13 – As decisões da Comissão Julgadora são irrecorríveis.

14 – Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela ALAMI

Ituiutaba, 1º de Agosto de 2014.
Comissão Organizadora:
Regina de Souza Marques Almeida – Coordenadora de Concursos-
Membros:
Sonone Luiz Vilela Junqueira
Adelaide Pajuaba Nehme
José Moreira Filho
José Maria Franco de Assis
Enio Eustáquio Ferreira

CP: HD – FCI/ALAMI – agosto/2014

 

GERSON ABRÃO- HOMENAGEM

ILUSTRE FILHO DE ITUIUTABA FALECE EM UBERLÂNDIA

 

 
A sociedade Ituiutabana recebeu com muito pesar, a notícia da partida do filho ilustre, GERSON ABRÃO. Residente em Uberlândia por vários anos, não se esquecia da Terra Tijucana e principalmente dos familiares e amigos aqui deixados. Ser humano fabuloso, gentil, recebia com alegria os conterrâneos que por lá aportavam. Advogado, político por convicção, professor, chefe de família, sempre pautou sua vida dentro dos princípios nobres e de valores expressivos. Coerente, generoso ao extremo, sempre procurou atender reivindicações, inclusive dos conterrâneos, que o procuravam…
Esteve ao lado dos ex-prefeitos Virgílio Galassi e Odelmo Leão, durante suas gestões, exercendo seu profissionalismo com lisura e dedicação. Em Ituiutaba, além de vereador, ocupou cargos relevantes, com admiráveis folhas de serviços, baseados em sua competência e dedicação.
Na Academia de Letras Artes e Música de Ituitaba-ALAMI, ocupou a cadeira no 11, cujo Patrono era Alexandrino Garcia.
Em nome de minha família, da ALAMI pelo seu presidente Ênio Eustaquio Ferreira, e dos Acadêmicos, abraçamos efusivamente seus familiares, representados pela querida amiga Larissa, rogando ao Criador, muita tranquilidade e conforto a todos.
Que nosso amigo Gerson, já descanse em paz.

 
Adelaide Pajuaba Nehme- Acadêmica da ALAMI

“Os Aforismos do Ciberpajé Edgar Franco” (33)

Para voar só é necessário livrar-se do peso morto do passado e da

ansiedade plúmbea do futuro. (Ciberpajé)
*
Não por acaso patriota rima com idiota. As bandeiras criam fronteiras,
distâncias, ódios, crueldades, nada mais. (Ciberpajé)
*
Enquanto tremular uma única bandeira que seja, enquanto vicejarem os
dogmas de qualquer ordem, toda “Independência” será apenas uma farsa,
toda liberdade uma ilusão. (Ciberpajé)
*
Não, eu não tenho pátria, minha casa é o Universo, meu coração é
Cósmico. (Ciberpajé)
*
Se destruirmos o véu obtuso da cultura que obstrui a percepção mágica
de que somos fenômenos cósmicos, veremos o teor infinito de nossa
essência universal. (Ciberpajé)
*
Os que abdicam do direito inalienável de enlouquecerem diante da
crueldade inominável desse mundo, morrem por dentro e são engolidos
por ele. (Ciberpajé)
*
Astrofísicos dizem que até as estrelas morrem, mas para um universo
infinito e atemporal nada pode apagar um brilho que viceja. Estrelas
sempre serão estrelas, e a sua morte é só uma ilusão perpetrada pela
mentira do tempo. Poetas sabem que estrelas são eternas. Sejamos
estrelas. (Ciberpajé)
*
Edgar Franco é Ciberpajé, artista transmídia, pós-doutor em artes pela
UnB, doutor em artes pela USP, mestre em multimeios pela Unicamp e
professor do Programa de Doutorado em Arte e Cultura Visual da UFG.
Acadêmico da ALAMI, possui obras premiadas nas áreas de arte e
tecnologia, performance e histórias em quadrinhos.

 
CP: HD – FCI/ALAMI – setembro/2014.

O homem passa e a história fica

Saavedra Fontes

Nós, que alcançamos o século XXI e vivemos a parafernália de uma época globalizada, sentimos certa saudade do mundo menos conhecido do início do século passado. Havia o mistério, a magia do desconhecido, as notícias chegavam atrasadas, mas com impacto verdadeiro. Hoje não, a gente acompanha in loco e até mesmo na hora exata as coisas que estão acontecendo. Dramas e tragédias ficam banalizados pela variedade e quantidade de ocorrências a tal ponto, que ninguém mais se surpreende. . Já não há testemunha viva dos fatos ocorridos em 1900, claro que não. Ou há? Como deve ter sido a recepção dos leitores pelo livro “Os Sertões” de Euclides da Cunha, contando a saga de Antônio Conselheiro e a guerra de Canudos? Que confusão deve ter sido no Rio de Janeiro a política sanitarista de Oswaldo Cruz de combate à varíola e à febre amarela, gerando polêmica e incompreensão? E o voo de Santos Dumont com o seu 14-Bis, o que não deve ter dado o que falar? Mais ainda o alvoroço que deve ter causado Einstein com a sua Teoria da Relatividade, revolucionando as noções vigentes de tempo e espaço. E o pioneirismo e genialidade de Henri Ford introduzindo a linha de produção industrial de seus carros ou o naufrágio do Titanic, matando mais de mil e quinhentas pessoas. Tudo isso e mais a guerra de 1914, a invenção do sutiã que substituiu o espartilho tradicional, a descoberta das ondas curtas que permitiram a radiodifusão internacional, a queda da bolsa de Nova Iorque gerando crise econômica internacional e pânico indescritível; a chegada dos antibióticos, todas essas coisas publicadas com entusiasmo e moderação para um público que começava a perceber que ainda veriam muito mais.
Era uma época de expansão extraordinária, tanto mais notável quanto menor era a nossa capacidade de imaginar o que estaria por vir. A aprovação do novo Código Eleitoral brasileiro, que instituía o voto secreto e o direito das mulheres votarem e serem votadas; os dias maravilhosos da organização da primeira Copa do Mundo de Futebol; o cinema de Mae West, a dança do Charlestown, a orquestra de Glen Miller, a Aquarela do Brasil de Ari Barroso, Pablo Picasso e as diabruras de Salvador Dali. Os horrores da Segunda Guerra Mundial com a invenção mais trágica do Homem, a bomba atômica, que arrasou as cidades japonesas de Nagasaki e Hiroshima, oferecendo à Humanidade uma síntese de sua crueldade.
O tempo é formador de notícias e estas fazem a história para a posteridade. O Homem foi à lua, inventou a minissaia e enquanto o ditador Franco morria na Espanha a ditadura era instaurada no Chile, na Argentina e no Brasil. E se dermos um salto maior chegamos a Bill Gates e Paul Allen que fundaram a Microsoft, a maior empresa de software do mundo. Nasce o primeiro bebê de proveta, cai o muro de Berlim e como pesadelo maior surge o vírus da AIDS. Isto é só o que o meu pobre cérebro pôde lembrar em algumas poucas horas de compromisso com os leitores. Poderíamos também falar da dengue, da gripe suína, das mudanças climáticas, mas trata-se de coisas mais recentes. O que pretendo mostrar é que o tempo passa rápido e com ele vamos nós, como participantes e testemunhas da História, a única coisa que sobrevive às nossas alegrias e tragédias.###

Ituiutaba 113 anos de desenvolvimento

A Fundação Cultural de Ituiutaba, por seu presidente, professor Francisco Roberto Rangel, quando Ituiutaba completa 113 anos de emancipação política e social, regozija-se por tão auspiciosa e importante comemoração, e deixa registrado a sua mais cara homenagem àqueles que fizeram a história desta grande cidade, pela contribuição recebida de cada um de seus filhos, desde a sua fundação, até a presente data, ajudou a alavancar o seu desenvolvimento.
O Arraial de São José do Tijuco, mais tarde denominado Vila Platina pertencia ao município de Prata, porém, em 16 de setembro de 1901, graças à luta de seu povo, se emancipava. O pequeno arraial que crescia a passos largos, em 1915, por uma resolução do então Senador Camilo Chaves passou a chamar-se Ituiutaba. Que quer dizer: I – Rio, TUIU – Tijuco, TABA – Povoação (Cidade). Ituiutaba cidade do Rio Tijuco, pela força do trabalho de seu povo, ferramenta do desenvolvimento, se tornou a Metrópole do Pontal do Triângulo Mineiro. Salve Ituiutaba!

 
FUNDAÇÃO CULTURAL DE ITUIUTABA

Estado d’alma

Do livro “Colcha de Retalhos” de 1.995
Agesípolis Fernandes Maciel é Fundador e Patrono da Cadeira 15 da ALAMI – Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba.
Na sétima década da vida, estou parado no tempo.
A casa que abriga meu coração está em desordem como meu pensamento.
Sentado, numa esquina da vida, escuto e trituro meu sentimento.
Ouço vozes e choro… Mães viúvas de homens canalhas… Mães aflitas pela falta dos filhos, devorados pela iniqüidade das tragédias… Órfãos de pais vivos a perambular pelas vielas escuras e escusas dos transviados da sorte!
Grito por socorro e ninguém me ouve!
Mesmo assim, num ímpeto de rebeldia, grito e gritarei pela vida afora!
Transmitam a todos, alguém há de me ouvir, pelo rádio, pelo jornal, por todos os meios de comunicação…
Transmita a todos os cantos da terra o meu canto de amor, todo o meu carinho, todo o meu desvelo por todos os oprimidos!
Aos velhos, aos mendigos, aos filhos da rua, aos ratos que se alimentam com as sobras das latas de lixo… – mas principalmente meu amor pelos velhos e as crianças, todos eles estão em mim!
Na esquina da vida, na curva do destino, algo me impele a gritar o meu amor incontido!
– Velhos e crianças abandonadas, os pontos da miséria, todos estão em mim!
Agesípolis Fernandes Maciel – 1913-2001 – imortalizado pela sua literatura –– Nascido na cidade de Uberaba – MG, em 14 de julho de 1913. Professor. Mudou-se para a cidade de Ituiutaba – MG onde foi Diretor do Colégio Estadual de Ituiutaba, presidente do Sindicato Rural, diretor da Associação Comercial e Industrial de Ituiutaba. Ruralista, Vereador. Recebeu o título de Cidadão Honorário de Ituiutaba por seu trabalho e pela dedicação e amor à comunidade. Partiu para o Oriente Eterno em junho de 2001.

 

 

www.agesipolismaciel.zip.net
CP: HD – FCI/ALAMI – setembro/2014.

A hora da onça beber água

O mandatário maior do poder político do Brasil tomará posse no 1º dia de 2015. É o momento em que o chefe do executivo, eleito ou reeleito, deve colocar sua sabedoria em prática, se quiser responder eficientemente aos anseios de uma população ávida por seriedade e justiça na res publica. É claro que o bom estadista levará em conta critérios lógicos e producentes para montar sua equipe. E aí está a diferença do político e do estadista. O primeiro se preocupa com a próxima eleição e o segundo com a próxima geração. Talvez por isso, justifica o que disse Henry Kissinger: “O dever de um estadista é fazer a ponte entre a experiência e a visão.”

Evidentemente que não será uma tarefa fácil para o novo governante, equilibrar a exigência dos cargos com o atendimento aos compromissos assumidos na campanha, uma vez que, como sabemos, é sempre necessária muita composição, para se chegar a uma vitória, muitas vezes apertada. Mas um recurso que pode aliviar a tensão do futuro presidente(a) é, sem dúvida, o critério da tecnicidade. É uma postura democrática, pois brinda a excelência do trabalho e é simpática ao público em geral, inclusive aos adversários, que devem ver nessa atitude, bom senso e coerência entre o discurso e ação. A não ser assim, se outros critérios nortearem esse preenchimento de cargos, com certeza os companheiros serão agraciados, mas o serviço público nem sempre. É verdade que, como vivemos épocas de vacas magras, a questão financeira também vai pesar na decisão do chefe do executivo, quanto à criação ou extinção de ministérios, por exemplo. Cortes nos gastos supérfluos, com certeza, será a palavra de ordem doravante, pois este é o calcanhar de Aquiles na administração pública.
É preciso que o cidadão veja sentido na Política, ou nos seus reflexos, quais sejam, o bem estar garantido pela segurança, pela saúde e pela educação de qualidade. Quando a Política cumpre esse cronograma, ela coopera para a vivência da cidadania plena. É função do agir político, a sustentabilidade da liberdade. É preciso que o cidadão possa praticar o preceito legal do ir e vir. O sentido da Política se manifesta quando o cidadão tem a chance e espaço para a liberdade, para a felicidade pública e para a realização pessoal.
É preciso que os eleitos não só no executivo maior, bem como no legislativo de toda a federação se conscientizem de uma verdade, hoje os tempos já são outros. A fiscalização sobre a ação política já está mais efetiva, portanto mais eleitores sabem do poder do voto. Sabem que a vontade que elege pode deseleger!
De qualquer forma, nós, observadores, temos uma certeza: se tiver água a onça bebe, se não tiver ela come o dono do poço.

 
José Moreira Filho
moreira@baciotti.com

 

 

CP: HD – FCI/ALAMI – setembro/2014.

Devido ao grande sucesso do projeto “Ler Mais” Fundação Cultural de Ituiutaba lança a sua terceira edição

Devido ao grande sucesso alcançado nas duas primeiras edições do projeto “Ler Mais”, lançado em 2013, em que foram doados centenas de livros, a Fundação Cultural está lançando à terceira edição desse projeto, disponibilizando a aqueles que visitarem a sua Galeria de Antiguidades, a doação de livros para aproveitar dezenas de obras jurídicas, infantis e literatura, que foram doados a esse órgão da Fundação, onde todo visitante recebe um ou mais livros, aumentando o seu poder de pesquisa, ou de uma boa leitura, podendo aprimorar assim seus conhecimentos e ao mesmo tempo enriquecer, o seu nível cultural.

Segundo o presidente da entidade, professor Francisco Roberto Rangel ao instituir esse projeto, ele o fez pensando em premiar estudantes, professores, pesquisadores e as pessoas que visitam a galeria. “Seria um desperdício não aproveitar tantos livros e tantos autores famosos, verdadeiras obras primas que são doadas a galeria. Doando esses livros aos nossos visitantes estamos contribuindo com a leitura, mas, sobretudo, ajudando as pessoas a ler mais. Portanto, quem visitar a galeria, não importa ser estudante ou não, irá receber um ou mais livros, tendo a oportunidade de ler mais, pesquisar mais, e assim aumentar seus conhecimentos culturais”, disse o presidente Rangel.

Disse ainda que os livros sobre direito que estão sendo doados representam uma ótima fonte de pesquisa para os estudantes que estão cursando advocacia, são obras de vários autores e versam sobre várias áreas do direito, que podem ajudar e muito esses estudantes em seus estudos. “Esses livros estão à disposição de nossos alunos universitários, é só eles virem buscá-los aqui em nossa galeria”, completou o professor Rangel.

A Galeria de Antiguidades funciona de segunda a sexta-feira, das 11h30 às 17h30, na Rua 22, entre avs. 19 e 21, n° 1.115 – centro.

 

 

Revista de circulação no estado de Minas Gerais destaca MUSAI – Museu Antropológico de Ituiutaba

O Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais destaca, na semana que antecede o aniversário de emancipação política de Ituiutaba, em sua Revista Mineira de Contabilidade, de circulação em todo o estado, matéria sobre o MUSAI – Museu Antropológico de Ituiutaba, administrado pela Fundação Cultural desta cidade, publicando na capa da revista uma bela foto desse importante órgão de registros que cultiva objetos e artefatos, do patrimônio histórico e cultural desta cidade.

Revista Mineira de Contabilidade
A revista publica também na página de número cinco (5), matéria que faz referência sobre a localização da cidade no Pontal do Triângulo Mineiro e faz um resumo de sua história que se segue: “a região de Ituiutaba começou a ser habitada em 1919, quando chegaram os primeiros desbravadores daquela terra. A cidade foi emancipada somente em 1901. Depois de diversos nomes, em 1915, passou a ser chamada de Ituiutaba, termo tupi que significa “Aldeia do lamaçal do Rio Tijuco”, ou ainda “povoação do Rio Tijuco” (Rio da Região). Com o título de “Capital do Arroz”, em 1950, o município foi o maior produtor de arroz do estado. – A cidade Foi desenvolvendo, e, hoje, é um pólo regional, atendendo, com serviços variados, a região do Pontal do Triângulo Mineiro. Um de seus destaques é a Feira e Exposição agropecuária anual, conhecida com EXPOPEC, que tem abrangência nacional. O agronegócio e a prestação de serviços são seus principais elementos e fonte de divisas. Sua população, de acordo com a Estimativa Populacional 2012 do IBGE, é de 102.020 habitantes. Os ituiutabanos e turistas que visitam a cidade contam com alguns atrativos como o Parque do Goiabal, a Casa do Artesão e o TEAR – Tejuco Arte e Artesanato. E uma das principais referências culturais da cidade é o MUSAI – Museu Antropológico de Ituiutaba (Foto), criado em 2007, com o objetivo de contar a história da cidade e seu acervo. Com exposição permanentes e temporárias o museu guarda antiguidades, fotos, objetos e documentos que marcaram diversas etapas de evolução do homem e do avanço tecnológico, contribuindo para o enriquecimento cultural de seus visitantes”, destacou a matéria.
Para o presidente da Fundação Cultural, professor Francisco Roberto Rangel é gratificante ver o nome de nossa cidade ser divulgado de forma positiva, em uma revista de circulação em todo estado de Minas, com reflexos no país inteiro, por uma entidade respeitada como é o Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, que mostra, sobretudo, de forma clara e objetiva, às potencialidades de nossa terra, suas riquezas culturais e a grandeza de seu povo. Ao Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, dirigido pelo eficiente presidente, contador Marco Aurélio Cunha de Almeida, os agradecimentos da Fundação Cultural pela revista editada pela entidade que ele dirige destacar com muita ênfase, a grandeza de nossa querida Ituiutaba, que nesse dia 16 de setembro comemora 113 anos de desenvolvimento.

 
Saiba mais sobre Ituiutaba, acesse: www.portalituiutaba.com.br
Ituiutaba, 8 de setembro de 2014.

Pole Dance

Pole Dance

Olhares

[Arth Silva]

 
Sorrir com os olhos é encontrar alguém que não te desperte um amor a primeira vista, e sim um amor a todo instante.
Quem já teve alguém assim a ponto de gostar mais dos seus próprios olhos quando tinha os dela ou dele refletidos nos seus, sabe do que estou falando…

Olhos de decote que não te deixam tirar os olhos…
Olhos de ressaca, que te embriagam e viciam.
Olhos de semáforo, que por segurança ou costume te fazem olhar atentamente até que mudem de repente e, com a língua do olhar, te dizem tudo que você deve ou não fazer.
Olhos de bola de gude, olhos emoldurados por óculos… Olhos castanhos que te dizem tudo aquilo que sua boca nunca conseguiu pronunciar…

Olhos que sorriem mais do que a boca e a sua pupila morde cada palavra escrita por ela…

Quem já teve a esperança verde dos olhos de alguém sabe do que falo…

Arth Silva é escritor, desenhista, designer e redator publicitário, especialista em perder canetas azuis.
Autor do livro “Contos à Queima Roupa” e da coletânea de memórias dos idosos de Ituiutaba “Gavetas da memória”.
Seus trabalhos literários podem ser lidos na página “Sonhando a Deriva”.
fsarthur@yahoo.com.br

CP: HD – FCI/ALAMI – setembro/2014