IX Concurso Contos do Tijuco “JACI DE ALMEIDA”

A L A M I
Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba.
Entidade de utilidade publica municipal – lei 3896.
alamiacademia@yahoo.com.br
www.alami.xpg.com.br

IX Concurso Contos do Tijuco
“JACI DE ALMEIDA”

.Regulamento

1 – A Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba – ALAMI – promove o IX Concurso Contos do Tijuco, uma atividade de caráter literário e cultural sem fins lucrativos, que nessa edição homenageia o saudoso Jaci de Almeida – gráfico.

2 – Poderão inscrever-se escritores de qualquer nacionalidade (desde que o conto seja escrito na língua portuguesa). A inscrição implica na concordância automática com todas as cláusulas desse regulamento.

3 – O conto deverá ser em língua portuguesa, inédito e apresentado em quatro vias digitadas em corpo 12. Cada participante poderá inscrever apenas um conto, sem limite de páginas e sem restrição quanto à forma e ao conteúdo. O concorrente é único e inteiramente responsável por garantir que seu conto seja inédito, sendo responsável, civil e criminalmente, em caso de plágio.

4 – O conto deverá ser enviado em um envelope grande e lacrado, identificado na frente com o nome do concurso. Dentro deste envelope os concorrentes deverão enviar um envelope menor, também lacrado, identificado na parte externa apenas com o título do conto e o pseudônimo utilizado e este envelope menor deverá conter uma folha com os seguintes dados: – nome do conto e pseudônimo, nome completo do autor, e-mail, telefone para contato e pequena biografia.

5 – O prazo para a inscrição termina, impreterivelmente, no dia 31 de outubro de 2014, valendo a data do carimbo do correio. Enviar a inscrição para o seguinte endereço:

ALAMI – Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba –.
Avenida Três, entre Ruas 18 e 20 nº 240 – Casa da Cultura –
Ituiutaba –MG – CEP 38.300.160.

6 – Os contos serão julgados por uma Comissão Julgadora formada por três membros, de notória competência na matéria, não pertencentes à ALAMI.

7 – Ao autor do conto premiado será oferecido como prêmio a quantia de R$400, OO (quatrocentos reais) e certificado e livros da biblioteca da ALAMI.

8 – O conto premiado será publicado no blog da ALAMI – solardaliteratura.blogspot.com.br – e outros sites literários que prestam serviços de divulgação de concursos de contos. A Comissão poderá selecionar mais nove contos, sem classificação, para possível publicação em livro.

9 – O resultado do concurso sairá numa data bem próxima do dia 11 de dezembro de 2014 ou, imediatamente ao término dos trabalhos da Comissão Julgadora. O resultado do concurso será divulgado no blog: www.solardaliteratura.blogspot.com.br – e outros sites literários que colaboram com a ALAMI na divulgação de concursos de contos.

10 – A entrega do prêmio ao ganhador do Concurso e a entrega do “Certificado de Participação” aos autores dos nove contos selecionados será em data a ser informada. – pelo telefone ou e-mail -.

1 – Poderá a Comissão Julgadora deixar de outorgar o prêmio se avaliar que a ele nenhum dos contos faz jus. (não haverá devolução dos contos recebidos, que serão incinerados logo após o julgamento).

12 – Poderá a ALAMI publicar um livro com o conto vencedor e os nove contos selecionados pela Comissão Julgadora.

13 – As decisões da Comissão Julgadora são irrecorríveis.

14 – Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela ALAMI

Ituiutaba, 1º de Agosto de 2014.
Comissão Organizadora:
Regina de Souza Marques Almeida – Coordenadora de Concursos-
Membros:
Sonone Luiz Vilela Junqueira
Adelaide Pajuaba Nehme
José Moreira Filho
José Maria Franco de Assis
Enio Eustáquio Ferreira

CP: HD – FCI/ALAMI – agosto/2014

 

Maestro da Banda Mirim da Fundação Cultural de Ituiutaba proferiu palestra para alunos da Escola Israel Pinheiro e Banda Mirim fez apresentação

O maestro, Sandro Aparecido Santos Lima que comanda a Banda Mirim Elias Antônio Daia, da Fundação Cultural de Ituiutaba proferiu palestra na última sexta-feira, 24, no auditório do Conservatório Estadual de Musica de Ituiutaba, Dr. José Zóccoli de Andrade, para alunos do curso médio da Escola Estadual Israel Pinheiro, sobre o tema: “musica”.
O maestro Sandro falou da importância da música no dia a dia da população brasileira, seus estilos e seus ritmos e sua importância na formação da personalidade humana, profissional e intelectual, pessoas de todas as idades, especialmente das mais jovens de ambos os sexos.
Os alunos demonstraram muito interesse na palestra do maestro Sandro, pois ele fez uma dissertação sobre a importância da música no contexto atual e a importância de cada instrumento que compõem uma banda de música, principalmente na sua composição da harmônica.
Ao final, a Banda Mirim Maestro Elias Antônio Daia, formada por adolescentes de ambos os sexos, fez uma belíssima apresentação com a execução de alguns dobrados e musica popular brasileira (MPB), e foi muito aplaudida.

 
Saiba mais sobre Ituiutaba, acesse: www.portalituiutaba.com.br
(Ituiutaba, 27 de outubro de 2014).

 

Caravana Siga Bem, Posto do Décio e Fundação Cultural realizam mais uma etapa do projeto em Ituiutaba

 

O projeto Caravana Siga Bem, em sua oitava edição, numa parceria com o Posto do Décio e com a Fundação Cultural de Ituiutaba, volta a esta cidade nos dias 27 e 28 de novembro de 2014, das 11h às 21h, para mais uma apresentação. A Caravana Siga Bem é a maior ação social itinerante das estradas brasileiras, um projeto patrocinado pela Petrobrás, Petrobrás Distribuidora e Volvo.
Além de divulgar e prestigiar manifestações culturais e projetos sociais locais, duas das principais ações sociais da Caravana são o Siga Bem Criança, de enfrentamento à exploração sexual infantil, divulgando o Disque 100- disque denúncia nacional; e o Siga Bem Mulher, campanha pelo fim da violência contra a mulher, divulgação da Lei Maria da Penha e o Ligue 180 – Central de Atendimento à Mulher.
A Fundação Cultural sempre parceira nos grandes projetos culturais que aqui tem se apresentado, foi parceira desde a primeira apresentação da Caravana e mais uma vez vai levar os talentos de suas oficinas de dança, artes marciais, musica, através das bandas de musica, Banda Mirim Elias Antônio Daia e Banda Municipal José Castanheira, nos dois dias de apresentação do projeto, em Ituiutaba.
Tudo isso para mostrar a força da parceria, mas, sobretudo, também, mostrar aos visitantes, os talentos da gente tijucana, formados nas oficinas do Espaço Cultural, Benedito Santana, da Fundação Cultural de Ituiutaba.

 

 
Saiba mais sobre Ituiutaba, acesse: www.portalituiutaba.com.br
(Ituiutaba, 27 de outubro de 2014)

A MEU FILHO

do livro “Colcha de Retalhos” de 1.995

 
Agesípolis Fernandes Maciel é Fundador e Patrono da Cadeira 15 da ALAMI – Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba.
www.agesipolismaciel.zip.net
Qual botão de rosa, desabrochas para a vida! Balanças na tua rede e mais pareces alvo lírio pendente do galho, brincando prazenteiro ao sopro da brisa da manhã!
Como te quero, fruto do meu amor, anseio, razão precípua de todas as minhas alegrias!
Abres a corola aos raios de ouro do sol, ao orvalho da noite, ao ar fresco e puro da alvorada que vem beijar-te!
Mas está exposto às intempéries, à crueldade da vida!
Cuidado com o turbilhão de insetos, alguns multicores como os ramos que te vestem, que virão ao teu encalço. Outros, como o camaleão, num mimetismo perfeito contigo mesmo, sugerem perigo, são venenosos e exalam corrosivos que queimam e destroem.
Todo cuidado é pouco!
Também já fui como tu és. Vivi anos, oculto a todos os olhares pecaminosos, agasalhado sob as folhas que me protegiam contra tudo que me poderia ser nocivo. Mas um dia, há sempre na vida esse momento, saindo do meu esconderijo, já cansado do isolamento, ergui a cabeça, respirei forte, aprumei os ombros em sinal de independência, de força e superioridade. Andei de um lado a outro, sem saber ao certo o que queria ou procurava. Quem sabe uma felicidade imaginária?
Nesse perambular, completamente despreparado para as aventuras do mundo grande, de mistura com o ar fresco que respirava, absorvi um nada, às vezes um bichinho tão pequeno que não o percebera. E ele foi entrando, sorrateiro, caviloso, se infiltrando e achou morada aqui dentro, cá bem no íntimo. Vinha de perto, de longe quem sabe da expiração, do calor, do perfume, talvez um olhar meigo que me penetrou.
Daí por diante, tudo era encantamento, sorrisos, ao compasso de sons musicais que enchiam o ambiente, onde quer que me encontrasse! Debruçado num colo morno delirava num mundo que não é este, com os sonhos mais lindos e os afagos de mãos ternas e acariciantes, levando-me ao paraíso. Como vivi anos em instantes, extasiado, esquecido de que a suprema ventura é quimérica e dura tão pouco!
De repente, tudo passou como um sonho de pouca duração.
De tudo, nada restou. Apenas uma vaga lembrança, algumas cicatrizes e um vácuo cá por dentro a asfixiar-me lentamente!
Agesípolis Fernandes Maciel – 1913-2001 – imortalizado pela sua literatura –– Nascido na cidade de Uberaba – MG, em 14 de julho de 1913. Professor. Mudou-se para a cidade de Ituiutaba – MG onde foi Diretor do Colégio Estadual de Ituiutaba, presidente do Sindicato Rural, diretor da Associação Comercial e Industrial de Ituiutaba. Ruralista, Vereador. Recebeu o título de Cidadão Honorário de Ituiutaba por seu trabalho e pela dedicação e amor à comunidade. Partiu para o Oriente Eterno em junho de 2001.

 
CP: HD- FCI/ALAMI – outubro/2014

MATÉRIA-Materialidade até quando?

Nesse redemoinho rodopiante, que envereda o existencialismo concreto, observamos forças vitais exaurindo adoecidas, por não habitarmos um mundo onde a consciência faça de fato, parte vital da vida.
Onde a integração entre a harmonia do universo,ainda não entrelaça significativamente com a vida humana.

Onde distorções são colocadas para confundir céu e abismos…
Onde respiramos fumaça poluentes, sobrecarregadas de materialismo ao derredor, e por toda parte,como haverá fundamento lógico para SER e ESTAR conscientemente ?

Como poderemos evidenciar a verdade inserida, e estagnada na consciência, se preferimos não pensar na inclusão da totalidade do ser?
Se ainda não conseguimos integrar nossas forças vitais etéreas por desconhecimento da transcendência ,que é proposta Divina para vida?

Como poderemos mudar o mundo intimo e o mundo aparente, sugerido pelas forças cósmicas,se descartamos a intuição,as emoções,os sinais?
Como sobrevivermos patinando sobre a matéria densa ,que toma forma, e envereda por caminhos confusos?

Porque ainda não aderimos ao espírito, que é o condensador do “circuito de todos os significados”?
Se o mundo trafega afoitamente sobre a matéria, e para a matéria exclusivamente, onde iremos chegar?

Assim vamos nos perdendo por labirintos confusos, sem volta, ainda que a vida anuncie todos os dias, e em todas as horas ,que tudo existe em função da evolução e transcendência.
Matéria porque absolutamente, toma todas as formas, e todos os lugares iludindo o tempo e o espaço?

Se não permanecerá, não acrescentará a essencialidade, que clama por nós?

Maria Adelina – ALAMI
www.cronicatijucana.com.br

CP: HD – FCI/ALAMI – outubro/2014

No rastro das inflexões

Saavedra Fontes

Narram os nossos românticos historiadores, que ao chegar às margens do riacho Ipiranga, nosso príncipe regente teria desembainhado a espada e num gesto épico gritado: “independência ou morte!!! “
Menos apaixonado, o Visconde de Taunay afirmou na sua versão histórica, que Dom Pedro I não estava a cavalo, tampouco armou-se de pose heroica e menos ainda gritou. Seu desejo momentâneo de liberdade limitava-se às cólicas intestinais que o infernizavam, razão de procurar abrigo atrás das bananeiras para safar-se de incômoda dor de barriga. Mas o visconde era como Musset, que andou dizendo: “não tenho paixão, portanto não tenho eloquência”.
Para ser convincente o homem tem que sobrepor-se à razão e deve ser ator. Não lhe bastam palavras para atingir seus objetivos, para ganhar admiração e respeito, é preciso saber interpretá-las de modo a comover, usando para isso as inflexões. A forma linear de comunicação leva as pessoas ao desinteresse recíproco, torna qualquer assunto prosaico, diminui a importância por não traduzir e não trazer implícita nenhuma carga de emoção. Entretanto, com o uso da inflexão, introduzindo metáforas, por mais banais que sejam conquistam o mais exigente dos ouvintes e mantém interessado o parceiro de bate-papo. Se eu dissesse aqui e agora, “a Dilma renunciou”, a alegria seria geral, mas muito maior se eu tivesse a habilidade de reverenciar o fato com entusiasmo, com linguagem mais cheia de retórica e gestos teatrais.
Um velho conhecido meu, abusado e fanfarrão, costumava locupletar sua prosa cheia de invencionices e magias, com um apelativo bem mineiro: “- É isso aí, uai! Sua exclamação final superava qualquer tentativa de desinteresse na plateia. A frase do ex-presidente Figueiredo que escandalizou a nação e adquiriu foro de audácia, “eu prendo e arrebento”, lançada no raiar de seu governo e endereçada aos seus adversários políticos, nada mais foi que empáfia, porque sua formação era muito mais democrática do que se supunha, mas serviu aos seus intentos momentâneos. Brisola desencadeava todo um exercício de dignidade gaúcha, quando justificava suas demagogias encerrando-as com o tradicional “tchê” bem inflexionado. Dom Paulo Evaristo Arns, com seu jeito macio de falar e linguajar clerical renovava suas intenções repetindo, falsete, o velho refrão de “meus irmãos”. Enquanto Joãozinho Trinta, carnavalesco da Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis, com uma linguagem agressiva e visual, foi a metáfora maior deste país mostrando o peso dos contrastes sociais, materializando seu pensamento no mínimo original com o tema intitulado “a miséria é para os intelectuais e o luxo é para os pobres”. Este mesmo Joãozinho Trinta, inteligente e politizado, identificou no Jânio e no Brisola dois dos quatro cavaleiros bíblicos, afirmando que “cada povo tem o apocalipse que merece”. Mas, veio de Brasília a inflexão mais dramática, fúnebre e trágica, quando os meios de comunicação se juntaram em cadeia nacional para o nosso castigo habitual e tome lágrimas de jacaré: “companheiros e companheiras!!!…”
O processo é antigo, já existia antes de Pilatos lavar as mãos diante do povo alterado. No Brasil é que é mais recente. Por isso, antes de cada nova eleição é bom que lembremo-nos de Horácio, o grande poeta latino, que aconselhava: “- evita indagar o que será o amanhã”…
CP: HD – FCI/ALAMI – outubro/2014

“Os Aforismos do Ciberpajé Edgar Franco”(39)

Todos querem dizer como você deve agir. Assim sempre foi, desde o seu primeiro dia nesse planeta. Milhões de regras de conduta, direcionamentos, e você se submeteu a eles, por medo de ofendê-los, por pretenso amor, ou respeito. E com isso você eclipsou tudo que te tornaria ímpar, único, e a sua vida interior tornou-se vazia, pouco criativa, insossa. A consequência foi o desenvolvimento de vícios para suprirem a falta de sentido de sua existência: comida, drogas, álcool, sexo, TV, internet, games, filmes, esportes, religião, múltiplas formas de preencher seu tempo livre e amenizar o caos interno. Ainda é tempo de revolucionar-se, comece renegando tudo que não é seu, investigue no seu coração quais os verdadeiros valores para você, e depois jogue todo o resto no lixo, o que não é seu, não te pertence. Busque seu ser integralmente, mergulhe em sua unicidade, volte a viver! (Ciberpajé)

*
Os megaempresários das multinacionais dominam as marionetes políticas e juntos impingem sofrimento à sua própria espécie e às demais espécies animais e vegetais, ferindo Gaia, que em silêncio parece domada. Em silêncio espera o momento certo para seu ataque violento, que não será cruel, mas será certeiro. (Ciberpajé)
*
Você pode voar, mas para isso precisa recuperar suas asas que foram cortadas pelos dogmas ideológicos, culturais, religiosos e tantos outros. Precisa renunciar a todos os grupos, seitas, igrejas, partidos. O vôo só pode ser magistral e galgar outras esferas se você voar sozinho, livre de leis forjadas por outros, livre de amarras morais, seguindo apenas a bússola do seu coração. (Ciberpajé)
*
No momento da cópula, da conjunção carnal, não acontece apenas uma troca de fluidos e energia no âmbito da matéria. A troca é profunda e os pensamentos e ideário dos parceiros se interpenetram também em suas esferas astrais. As auras se misturam e não mais serão as mesmas. Você se transforma profundamente! Sim, o sexo é uma brincadeira, uma brincadeira animal, mas sagrada, a mais sagrada e poderosa das brincadeiras, jamais deve ser encarado como entretenimento. As pessoas esqueceram-se disso e tornaram o sexo algo trivial, banal como assistir a um filme, ou ir passear no shopping. (Ciberpajé)
(Ciberpajé)
*
O amor é a flor exuberante que surge depois que jogamos no lixo e deixamos apodrecer eternamente: o apego, o ciúme, o desejo de controle e de posse. Essa flor Cósmica brota magicamente do esterco formado por esses outros sentimentos obtusos. (Ciberpajé)
*
Edgar Franco é Ciberpajé, artista transmídia, pós-doutor em artes pela UnB, doutor em artes pela USP, mestre em multimeios pela Unicamp e professor do Programa de Doutorado em Arte e Cultura Visual da UFG. Acadêmico da ALAMI, possui obras premiadas nas áreas de arte e tecnologia, performance e histórias em quadrinhos.

CP: HD – FCI/ALAMI – outubro/2014

A agonia da natureza

Ao ser presenteado com a vida, o homem recebeu por acréscimo a natureza. Esse mundo perfumado, colorido e abundante em riquezas naturais. Provido de tudo que seus habitantes necessitariam para sobreviver. No entanto, esse ser racional, desde o início, gradativamente, tem usado mal e administrado pior ainda todo esse bem, a ponto de provocar respostas perigosas para a vida no planeta. Na tentativa de criar facilidades e conforto (lembre-se dos descartáveis), o homem tem agredido a Natureza, tanto em relação ao meio ambiente como também em relação a sua própria natureza física.

Há muito tempo a harmonia foi quebrada e só com muito esforço, o usuário desse planeta conseguirá refrear um pouco a catástrofe para a qual estamos caminhando, em virtude do uso inadequado e criminoso que faz dos recursos disponíveis na natureza. Exemplo: a tragédia anunciada da falta d’água. A causa, entendemos ser a ganância, a busca frenética pelo poder e a necessidade de domínio que obscurece a visão de homens, os quais, pela posição social que ocupam, poderiam e deveriam disponibilizar suas capacidades e consciências, em prol da preservação ambiental. Nessa trajetória o homem inviabiliza a essência de seu objetivo que é ser feliz. Esquece-se de que para isso foi criado. Não é o que todos nós buscamos cotidianamente? Queremos paz, harmonia, tranquilidade, felicidade.
Vejo ainda, que nesse caminho o homem se distancia de sua alma racional, portanto, perde sua liberdade, pois na sociedade moderna se deixa prender nas teias do exibicionismo, do supérfluo e por isso precisa satisfazer os ditames da chamada vida civilizada. E sem objetivo para o que chama de vida, perde a postura e busca na violência gratuita a satisfação do ego irracional. Então animalescamente pega carona nas manifestações de rua, por exemplo, causando destruições para seu próprio prejuízo.
Para essa situação, como para tantas outras que tenho comentado nessas páginas, a solução está no tripé: família, escola e religião. Na família, se bem estruturada, forma-se o emocional do indivíduo, na escola a informação fornece-lhe as ferramentas necessárias para as tarefas da vida e na religião, poderá cultivar a fé, a esperança e a caridade, virtudes que fortalecerão seu espírito.
Ainda é preciso considerar que, na sociedade hodierna, em muitas situações, principalmente naquelas que afetam a economia, o individual e o coletivo se chocam. Os interesses de um vão de encontro aos do outro. Isso fica explícito no que se refere ao meio ambiente, pois a ganância pelos cifrões, cega a visão para o coletivo e uma ação sustentável que viria beneficiar o planeta, não é executada.
Por último, penso que devemos mudar o foco de nossas preocupações. Não precisamos pensar em salvar o planeta. A natureza é sábia e cuidará disso, do jeito dela, mas cuidará. Precisamos sim, é salvar o homem.

 
José Moreira filho
WWW.josemoreirafilho.com.br

 

 

CP: HD –FCI/ALAMI – outubro/2014

Pessoas da Terceira idade do CRAS de Santa vitória visitaram MUSAI e Galeria de Antiguidades da Fundação Cultural de Ituiutaba

Uma caravana constituída por mais de trinta pessoas da terceira idade, do CRAS, da vizinha cidade de Santa Vitória visitaram dias atrás, o MUSAI – Museu Antropológico de Ituiutaba e a Galeria de Antiguidades da Fundação.
Nesse intercâmbio cultural, a caravana de Santa Vitória estava sob o comando da diretora do CRAS, Marlene Rocha Maluf, que foi recepcionada no MUSAI, pelo seu coordenador, Luciano Barbosa e na Galeria, pelo presidente da Fundação Cultural, professor Francisco Roberto Rangel.
Segundo o presidente Rangel é muito importante receber visitantes de outras cidades, pois isso mostra a importância que a cultura exerce, quando é tratada de forma aberta e transparente. O mais importante nesses casos é aproximar as pessoas, e nesse contato direto trocar informações que contribuam para a melhoria desta região.
“Ficamos muito felizes de receber esses visitantes e poder oferecer a eles a nossa contribuição, através do MUSAI e da Galeria, mostrar a eles tudo aquilo que nossos antepassados fizeram e que no dia a dia serve como diretriz, para o desenvolvimento social e intelectual, das futuras gerações”, disse o presidente Rangel.

 

Parceria: Fundação Cultural de Ituiutaba e o grupo O Circo Mais Maior apresenta “Festival de circo para crianças”

Para alegrar a criançada desta cidade, iniciou neste dia 20, na Escola Estadual Clovis Salgado e sequenciará até o próximo dia 26 do corrente, o Festival de Circo para Crianças, numa parceria entre a Fundação Cultural e o grupo independente de circo de Ituiutaba “O Circo Mais Maior”, com a seguinte programação:
Dia 20/10 – Escola Estadual Clovis Salgado, às 13h30
Dia 23/10
Oficina E você Palhaço? (Cia Mais Maior de Circo-MG) Teatro Vianinha, às 14h
Rita, não grita! E Coral, Teatro Vianinha e Conservatório, às 19h
Dia 24/10 – Espetáculo “É só querê fazê (Coletivo É só querê Fazê) – GO, Calçadão, às 18h
Brinquedos, brincadeiras e outras poesias (Família Santiago Santos – GO), Praça da Prefeitura, às 20h
Dia 25/10
Cortejo dos Artistas e Espetáculo “É só querê fazê” (Coltivo É só querê fazê-GO), Calçadão, às 09h
Oficina de Vivência Circense (Trupe Trip Trapo-GO), Teatro Vianinha, às 14h
Pluft! O fantasminha – Teatro Vianinha, às 19h
Show com Forró de Lona (Forró de Lona-GO) – FACIP/UFU, às 22h
26/10
Bulacha, o Domador de Animais (Palhaço Bulacha-GO), Feira do Junqueira, às 10h
Encontro Mais Arte na Praça – Praça Getúlio Vargas, às 15h
É n “Oz n Pista (Trupe Trip Trapo-GO), Praça Getúlio Vargas, às 18h

 
Vá e leve suas crianças e morra de rir! Entrada Franca.

 

Escola Municipal Salim Bittar realiza Feira Cultural “Projeto Educar”

Cumprindo a penúltima etapa do “Projeto Educar”, a Escola Municipal Salim Bittar, realizou no último dia 9, em suas dependências uma Feira Cultural, com a exposição de trabalhos feitos pelos alunos de 3º e 4º anos durante todas as etapas do projeto.
O Projeto Educar em todas as etapas constituiu-se: de aula introdutória, palestra e debate sobre bens culturais, escolha do bem cultural feita pelos próprios alunos, pesquisa sobre bem cultural escolhido, entrevista com pessoa da comunidade, visita ao bem escolhido (Casa da Cultural-MUSAI), redação sobre o bem escolhido, atividades sobre o bem cultural desenvolvido pelos professores, e finalizando a participação da escola no projeto, foi realizada a Feira Cultural.
O Projeto Educar é uma realização da Fundação Cultural de Ituiutaba, em parceria com o IEPHA – Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais, buscando despertar nos alunos do ensino fundamental I, de 3º ao 5º anos, das escolas municipais Salim Bittar e Nadime Derze, o interesse pela preservação dos Bens patrimoniais do município de Ituiutaba.
Nessa etapa do projeto tivemos a participação dos alunos da escola, da comunidade, através dos pais dos alunos, professores, representantes da Fundação, nas pessoas dos técnicos, Supervisora do ICMS Cultural, Neila Alves dos Santos e do historiador, Luciano Barbosa da Silva.
O objetivo principal do “Projeto Educar” e integrar processo desenvolvido pela Fundação Cultural, com o objetivo de aumentar o ICMS Cultural do município de Ituiutaba.
Para encerrar a realização do “Projeto Educar” será realizado no dia 29 do corrente, na Escola Municipal Nadime Derze Jorge, a outra etapa da feira cultural, promovido pela escola em parceria com a Fundação Cultural, onde a comunidade em geral está convidada a prestigiar. A Feira será realizada no período matutino.

 
Saiba mais sobre Ituiutaba, acesse: www.portalituiutaba.com.br