Vencedor do 4º Concurso de Contos “Águas do Tijuco” de Ituiutaba e de Resende da Costa/MG

O 4º Concurso de Contos “Águas do Tijuco de Ituiutaba reconhecido nacionalmente, pela qualidade dos contistas participantes, da comissão julgadora e pela premiação paga ao vencedor, considerado um dos maiores prêmio literário do Brasil, teve como vencedor, o mineiro de Resende da Costa, Márcio André Oliveira Santos, com o conto “Coisas de minha avó”. Esse ano, na quarta edição, o concurso teve à participação de mais de quinhentos contistas escritos, numa disputa que deu muito trabalho a comissão julgadora para se chegar ao vencedor, devido à qualidade dos contos inscritos. Contos vindos de quase todos os estados brasileiros e do exterior, inclusive, de contistas de Ituiutaba.
Para o presidente da Fundação Cultural, advogado e professor Francisco Roberto Rangel, entre as várias atividades exercidas pela Fundação, destaca com muito brilho esse concurso, que segundo ele conta em média de participação de quinhentos contistas, em cada edição; contistas até do exterior, que tem levado realmente, o nome de Ituiutaba além fronteiras.
“Nessa oportunidade nós queremos agradecer a todos os parceiros, os responsáveis pelo sucesso desse concurso. Agradecer em especial ao prefeito, Luiz Pedro que é o grande incentivador da cultura aqui em Ituiutaba, ele não tem medido esforços no sentido de ajudar a nossa entidade, a realizar eventos com é esse concurso literário “Águas do Tijuco”, sucesso em todo país, destacou o presidente Rangel e aproveitou para cumprimentar o vencedor da quarta edição do concurso, Márcio André Oliveira Santos.
Segue abaixo a relação dos dez contos selecionados pela Comissão Julgadora, que fará parte do livro editado pela promotora, Fundação Cultural, porém, sem ordem de classificação, destacando apenas, o conto vencedor, “Coisas de minha avó”, que além da publicação, vai receber o prêmio de R$ 3.000,00 (três mil reais).
1º lugar: “Coisas de minha avó” – Márcio André Oliveira Santos – Resende da Costa – Minas Gerais
– Com as mãos vazias – Edileuza Bezerra de Lima Longo – São Paulo/SP
– A hóspede – Delmar Bertuol Alves da Silva – Matril Feliz/RS
– Córrego Sujo – Luiz Eduardo de Carvalho – Tatuapé/SP
– Rosário – Lilian Almeida de Oliveira Lima – Salvador/BA
– O Anjo e a Bola – Luiz Carlos Picinini – Sorocaba/SP
– Indulto – Tatiana Alves Soares Caldas – Rio de Janeiro/RJ
– Vestido de Estrelas – Aline Naomi Sassaki – São Paulo/SP
– Ecce Homo! – João Wilson Savino Carvalho – Macapá/AP
– Festa a São João na Vila de São Damião – Paulino Sales Abranches – Itajubá/MG

 
Saiba mais sobre Ituiutaba, acesse: www.portalituiutaba.com.br
(Ituiutaba, 4 de janeiro de 2016).

X Concurso Contos do Tijuco “VALNICE PEREIRA”

A L A M I
Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba.
Entidade de utilidade publica municipal – lei 3896.
Ano de fundação 1.996.
alamiacademia@yahoo.com.br
www.alami.xpg.com.br

X Concurso Contos do Tijuco
“VALNICE PEREIRA”

A ALAMI e a Fundação Cultural de Ituiutaba agradecem a imensa participação dos escritores (440 contos inscritos) e garantimos que sempre faremos o máximo esforço para continuarmos merecendo essa confiança que depositam em nosso trabalho.

Agradecemos, também, aos sites que divulgam os nossos concursos, em especial ao escritor Rodrigo Domit (RJ) que dirige o site – http://concursos-literarios.blogspot.com.br/
Nossos agradecimentos a Comissão Julgadora que suaram a testa para
escolherem os contos premiados.

Resultado

Primeiro lugar – O urubu e o gavião
Autor – Luiz Fernando Lima Oliveira

Dados biográficos: O autor é pernambucano, do Recife, nascido em 22 de agosto de 1978. Formou-se em Direito pela UFPE e trabalha como advogado em Porto Alegre – RS, para onde se mudou em 2007. Participa de Oficinas Literárias, de contos e poesias. No âmbito das letras, foi agraciado com o prêmio SESC/DF 2015 de melhores crônicas (3º. Lugar) e classificado no 5º. Concurso de Micro contos de humor de Piracicaba/SP, edição 2015.

Nove selecionados – nomes do conto e autor –
Ordem alfabética:
A Casa dos espelhos
Autor: João Lisboa Cota – Ponte Nova – MG
A gaita
Autor: Whisner Fraga – Ituiutaba – MG
Amor de Comer
Autora: Ana Cristina Moital Martins Luiz – Lousa LRS/Portugal
Estenda tuas mãos em forma de concha
Autora: Giovanna Artigiani – Campinas – SP
Desconectados
Autor: Edweine Loureiro da Silva – Manaus – AM
Destroços
Autor: José Eugênio Borges de Almeida – Maragogi – AL.
Mosaico
Autor: Felipe Cattapan – Rio de Janeiro – RJ
Os dois lados de um mesmo erro
Autor: Gustavo Fontes Rodrigues – São Paulo – SP
Rota de Fuga
Autora: Tatiana Alves Soares Caldas – Rio de Janeiro – RJ

COMISSÃO JULGADORA DO X CONCURSO CONTOS DO TIJUCO

Arth Silva
Redator, ilustrador, publicitário, escritor, poeta, crítico literário,
Blog: www.sonhandoaderiva.blogspot.com.br
e-mail – fsarthur@yahoo.com.br

Sandra Modesto
Pós-graduada em Educação – FEIT/UEMG
Graduada em Letras- (Português/Inglês) – FEIT/UEMG
Coordenadora do projeto: Oficina literária para a terceira idade.
Escritora.
e-mail: modestosandralucia@gmail.com

Dr. Jarbas Wilson Avelar – advogado – professor – escritor – cronista do Jornal do Pontal
e-mail – jarbasavelar@yahoo.com.br

EDITAL DE INCINERAÇÃO DE DOCUMENTOS

EDITAL DE INCINERAÇÃO DE DOCUMENTOS
FUNDAÇÃO CULTURAL DE ITUIUTABA/FCI – N° 001/2015

O Ilmo Sr. Dr. Francisco Roberto Rangel, Presidente da Fundação Cultural de Ituiutaba, no uso de suas atribuições legais e constitucionais, especialmente escudado no art. 1.215 e parágrafos do Código de Processo Civil, para incineração de arquivos e processos referentes aos Concursos de Canto de Ituiutaba, dos exercícios 2003 e 2004. Considerando, a impossibilidade de microfilmagem, digitalização ou outro processo congênere, não obstante inexistir atualmente espaço para guarda de novos documentos, faz saber a todos os interessados ou que do presente edital tomarem conhecimento, que no prazo de 30 (trinta) dias, a contar da data de sua publicação, serão INCINERADOS. Ressalta-se, que no prazo de publicação do presente edital, será facultado a eventual interessado o desentramento, às suas expensas, ou a microfilmagem total ou parcial dos arquivos. Eventual documento de valor histórico deverá ser recolhido ao arquivo da Galeria de Antiguidades, por servidor especialmente designado para esse fim. Finalmente, para que não seja posteriormente alegado o desconhecimento ou ignorância do teor do presente edital, determino a fixação de cópias do mesmo nos locais de costume da Fundação Cultural de Ituiutaba, bem como publicação em órgão de imprensa on-line, de forma a assegurar a mais ampla publicidade. Dado e passado na comarca de Ituiutaba-MG, na sede da Fundação Cultural de Ituiutaba, aos 11 dias do mês de dezembro de 2015.

Dr. Francisco Roberto Rangel
Presidente da Fundação Cultural de Ituiutaba

FUNDAÇÃO CULTURAL DE ITUIUTABA CONCURSO DE CONTOS ÁGUAS DO TIJUCO

FUNDAÇÃO CULTURAL DE ITUIUTABA
CONCURSO DE CONTOS ÁGUAS DO TIJUCO

O Presidente da Fundação Cultural de Ituiutaba – FCI, no uso de suas atribuições legais, COMUNICA aos candidatos do CONCURSO DE CONTOS ÁGUAS DO TIJUCO, seu sobrestamento e dá outras providências:

DOS MOTIVOS
Em Face, da greve dos servidores administrativos da FACIP/UFU, campus do Pontal, e IFTM – Instituto Federal do Triângulo Mineiro, que impede a indicação de docentes das Instituições para análise e julgamento dos trabalhos inscritos;
Fica estabelecida a retomada das fases de leitura, análise e julgamento dos contos, tão logo sejam retomadas as atividades das Instituições citadas com a conseqüente indicação dos jurados avaliadores e, ao final, a comunicação do conto vencedor.

 

Ituiutaba, 21 de Setembro de 2015.

 

Francisco Roberto Rangel
Fundação Cultural de Ituiutaba

Dia do folclore

Para comemorar o dia do Folclore, instituído pelo Congresso Nacional, em 22 de agosto de 1965, a Fundação Cultural de Ituiutaba publica nesta edição algumas das mais populares cantigas de roda que embalaram e continuam embalando as nossas crianças, se constituindo, no mais rico e lúdico folclore brasileiro.

 

Ciranda cirandinha

Ciranda, cirandinha, vamos todos cirandar,
Vamos dar a meia-volta, volta e meia vamos dar.
O anel que tu me deste era vidro e se quebrou
O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou
Por isso, D. Rosa entre dentro dessa roda
Diga um verso bem bonito, diga adeus e vá-se embora
A ciranda tem três filhas
Todas três por batizar
A mais velha delas todas
Ciranda se vai chamar.

Escravos de Jó

Escravos de Jó
Jogavam caxangá
Tira, bota, deixa o Zé Pereira ficar.
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá.

Peixe vivo

Como pode o peixe vivo
Viver fora da água fria
Como pode o peixe vivo
Viver fora da água fria
Como poderei viver
Como poderei viver
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Os pastores desta aldeia
Já me fazem zombaria
Os pastores desta aldeia
Já me fazem zombaria
Por me verem assim chorando
Por me verem assim chorando
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia.

Símbolos que marcam

Saavedra Fontes

Meu pai não era homem de dar muitos conselhos. Falava o necessário com os filhos e nos surpreendia nos momentos críticos, após algumas artes que sabíamos antecipadamente que pelas quais deveríamos ser punidos, com um completo alheamento. Dava-me a impressão de que ele achava tudo muito natural, próprio de crianças de nossa idade. Mas utilizava o processo de jogar palavras no ar, cujo significado pesava mais do que qualquer castigo e nos obrigava a pensar. Lembro-me de que certa ocasião, tentando nos abrir os olhos para os problemas que poderíamos ter que enfrentar no futuro, exigiu-nos prudência no pensar e no agir, afirmando que três coisas nós devíamos temer na vida: “a farda, a toga e a batina”. Não sei de onde ele tirou a frase, mas serviu para nos preocupar. Na ocasião, éramos tão pequenos e ingênuos, que não percebemos a metáfora. Só mais tarde é que notei a veracidade de seu conceito. São as três formas de dissimulação dos interesses mais poderosas do mundo civilizado, pois correspondem à força, à habilidade e o culto à fé, que podem acorrentar o homem e despersonalizá-lo. Com a farda eu nunca tive problemas, pois não pude servir o exército e os mesmos problemas cardíacos não permitiriam que eu ingressasse na Escola de Cadetes do Ar de Barbacena. Além disso, sempre procurei ser correto e evitar problemas com a justiça. Consequentemente, por esse motivo, vivo em paz com a farda e a toga. Quanto à batina a conversa é outra. Nunca aceitei viver sob o jugo de uma fé imposta. Ela só se justificaria se nascesse comigo, fosse literalmente extergente ou se originasse de um trabalho maduro de introspecção. Acabaram se transformando em símbolos e, como tais, servindo para ilustrar a história da minha vida.
Se observarmos bem, veremos que todos nós vivemos sobre a égide dos símbolos. Seria uma forma de entendermos o mundo em que vivemos e nos imaginarmos protegidos de alguma forma. Água, terra, fogo e ar são os primeiros e mais importantes símbolos cultivados por nós, cada um com o seu significado. Presente nos ritos e tradições religiosas, a água representa o renascimento, a purificação e a fertilidade espiritual, enquanto que na psicanálise é o modelo da memória inconsciente. Entre as mais antigas tradições religiosas, a terra representa a mãe de todo ser vivo e o ar é o elemento de ligação entre a matéria e o espírito. Já o fogo, com o significado de luz, calor, purificação, amor e espiritualidade é o presente dos espíritos à humanidade. Os símbolos são as formas mais primitivas do pensamento e as mais criativas analogias inventadas pelo homem. E são tantos, que podem naturalmente ser ignorados pela maioria das pessoas. A letra G é um símbolo maçônico que representa o conhecimento, a cruz egípcia e o olho de Hórus representam as energias solar e lunar na terra dos faraós e a cruz suástica nos faz lembrar o famigerado nazismo. A estrela de Davi, o mantra circular conhecido como mandala, o sinal da arroba nos correios eletrônicos, todos marcam formas análogas da cultura humana, fazem parte da história, do pensamento universal.
Entretanto acredito que os mais belos símbolos, são os que mexem com a nossa emoção, tocam o nosso coração, refletem nossa crença no futuro da humanidade: a linda e alva pomba transportando um ramo de oliveira em seu voo de sonhos e esperança, evocando a paz; a figura geométrica do coração traduzindo o mais belo dos sentimentos, que é o amor e a cruz do cristo, expressão máxima do sacrifício.

“Os Aforismos do Ciberpajé Edgar Franco”(131)

 

Vi uma foto hoje, um sobrevivente de outro ataque aéreo. Não, não era
uma criança zumbi de “walking dead”. Não era ficção, nem fantasia, era
um menininho que não devia estar ali, fruto de todo o absurdo desse
mundo, fruto das doenças do dogma e do poder que assolam a nossa
espécie controversa. (Ciberpajé)
*
Elke Maravilha tornou-se encantada. Depois que comecei a me “montar”
como Ciberpajé, com todos os meus apetrechos, fui comparado várias
vezes à Elke, apesar da comparação muitas vezes ter ares jocosos e
maldosos, nunca me importei, sempre me senti honrado. Ela tinha algo
de magnético e mágico, lembro-me muito bem de sentir isso ao vê-la na
TV quando ainda era um garotinho. Recentemente, ao ser novamente
comparado com ela, assisti várias de suas entrevistas na web e
encantei-me mais ainda com sua espiritualidade sincrética e sua visão
de mundo. Viva Elke! (Ciberpajé)
*
Posso esquecer-me de tudo, mas NUNCA, JAMAIS esquecerei-me de ser
grato, grato a todos que um dia deram-me alguma oportunidade de
mostrar a minha arte, e o meu ideário! Minha gratidão eterna a todos
aqueles que convidaram-me para falar para 2 pessoas, ou para um
auditório lotado, aos que publicaram meus quadrinhos, desenhos,
poemas, pinturas, e aos que generosamente os leram. Aos que ouviram
minhas músicas, assistiram minhas performances e leram meus aforismos,
também às gravadoras que acreditaram em meu trabalho e aos jornais que
publicaram meus escritos. A todos os que abriram tantas portas para
mim, aos que acreditaram no que eu crio. Vocês não precisavam fazer
nada por mim, mas fizeram! Gratidão, gratidão, GRATIDÃO CÓSMICA! OUÇAM
MEU MANTRA ETERNO DE GRATIDÃO QUE ECOA PELO UNIVERSO! (Ciberpajé)
*
Cai a tarde, o dia é quente, vejo uma cena tão chocante de pessoas que
se dizem “artistas” construindo seu status através de vitimismo,
petulância, arrogância e ódio ao outro, formando egrégoras podres
baseadas em raiva e ingratidão. Diante disso só resta silenciar-me,
não existem argumentos contra a virulência odiosa. Sigo minha
trajetória de velho lobo cósmico em eterna e gloriosa solitude. Eu não
faço parte de nenhuma escola, nenhum ismo, nenhum dogma, nenhuma moda
ou estilo, nenhum gênero ou grupo, eu pago o preço alto de não
submeter-me, com total convicção da força de minha solidão, uma
solidão por opção, não por ódio, não por vitimismo. (Ciberpajé)
*
Nos raros momentos em que o meu ego silencia-se por completo, explodo
como supernova e torno-me o Cosmos. (Ciberpajé)
*
Edgar Franco é Ciberpajé, artista transmídia, pós-doutor em artes pela
UnB, doutor em artes pela USP, mestre em multimeios pela Unicamp e
professor do Programa de Doutorado em Arte e Cultura Visual da UFG.
Acadêmico da ALAMI, possui obras premiadas nacionalmente nas áreas de
arte e tecnologia e histórias em quadrinhos. ciberpaje@gmail.com

FEIT E UEMG recebem visitantes ilustres

Nessa segunda feira 22, a Fundação Educacional de Ituiutaba e a UEMG receberam com muita satisfação, visitantes de Belo Horizonte, Evandro Oliveira Neiva, assessor da Reitoria da Universidade Estadual de Minas Gerais, e a Engenheira Queyla da Gerência de Obras da PROPEF. A presença de representantes da UEMG, deve-se a necessidade de contatos permanentes com a Unidade de Ituiutaba, de acordo com normas estabelecidas. Ituiutaba e Belo Horizonte seguem juntas dentro da mesma filosofia, de oferecerem o melhor, em termos de Educação de qualidade e ambiente saudável. A UEMG de Ituiutaba passa por reformas físicas estruturais, com melhoramentos no que tange a reparos em todos os blocos, desde adaptações em passeios para deficientes, até troca de telhados. Adequações com rampas para acessibilidade, pinturas em geral,parte elétrica e hidráulica,dando ainda ênfase ao paisagismo em favor da Ecologia, procurando dar destaque agradável ao panorama ambiental e conforto a vasta clientela que integra à Instituição. A Engenheira Queyla estará apreciando as obras prontas e em andamento, com sugestões e orientações. Quanto ao assessor Evandro terá uma visão geral do andamento administrativo e acadêmico em sua totalidade, abordando setores que integram à Unidade, além de esclarecimentos, sanando dúvidas e repassando orientações . A permanência de ambos se estenderá até o dia 26, quando retornarão a Belo Horizonte. Visita muito oportuna. Agradecemos aos Srs. Chefe de Gabinete Sr. Eduardo Santa Cecília e Adailton Vieira Pereira, Pró- Reitor de Planejamento e Finanças pela gentileza que nos proporcionaram com visitas tão importantes e de grande valia. Antecipamos agradecimentos em nome do Conselho Curador e das Diretorias, ao Evandro e Queyla pelas presenças, pelos conhecimentos que estarão repassando a todos, desejando-lhes boa estada entre nós. Serão sempre bem vindos!
Adelaide Pajuaba Nehme . , Presidente do Conselho Curador e Acadêmica da ALAMI

Ninho vazio

Em nossa vida, uma coisa da qual não podemos fugir são as escolhas. Pois mesmo que você nunca decida sobre nada, essa já é uma decisão. É uma escolha, embora talvez mesmo inconsciente. Optar, separar, eleger, escolher… são as decisões mais frequentes em nossa vida desde que nascemos. Consciente ou inconscientemente o bebê escolhe a mamadeira ou o peito da mãe e há pessoas que escolhem até a própria mortalha.
É chegado um momento na vida, que a grande maioria de nós, fazemos uma escolha muito importante que é a de bater as asas, deixar o ninho. Esse voo, que é sempre para o desconhecido, traz sempre o sabor do infinito, pois nos sentimos donos do universo com a ingênua certeza da eternidade. Porém, mais cedo ou mais tarde a ficha cai. Aí percebemos que é hora de lembrar os ensinamentos paternos, para os quais, talvez nunca fora dada a devida atenção. Mas a vida aos sábios ensina e aos incautos castiga. Assim, o noviço dessa nova lide faz sua escolha, e se opta pela sabedoria, seus passos serão iluminados e as portas do sucesso se abrirão uma a uma. Isso porque ele entende que não se trata de ruptura, mas de independência. O tempo do ninho, se bem vivido, será o suporte de confiança que aliviará as asperezas do caminho que terá de seguir doravante.
Importante ao deixar o ninho, é que se tenha em mente que para esse espetáculo chamado vida, não existe ensaio. É sempre ao vivo, e uma falha no script não tem como ser cortada e gravada nova cena. É aconselhável ainda saber, que não são as expectativas sobre a rota de seu voo que delineia seu destino, mas as linhas traçadas pelo seu coração. Nas viagens noturnas, quando noites tenebrosas lhe causar temor, são as luzes de seus sonhos que devem iluminar a pista para sua aterrisagem. Mas não se pode esquecer também, que o combustível para essas luzes veio de uma fonte maior e segura – o lar – ao qual não se tem dúvida de retornar quando talvez precisar se reabastecer. É o porto seguro com um ponto certo onde ancorar.
É o ciclo da vida. Sementes são lançadas, brotam, frutificam e produzem novas sementes que, por sua vez, darão novos frutos. São momentos difíceis pois trazem angústias, é uma característica do desconhecido. Mas ambas as partes, quem parte e quem fica, devem enfrentar seus receios com a confiança do dever cumprido e a fé de que a boa intenção e a vontade de vencer são fundamentais.
Assim, o futuro dependerá do hoje. A colheita, dependerá da semente que plantar, da terra que escolher, do adubo, da água e do amor que dedicar.

 
José Moreira Filho
moreira@baciotti.com

Nostalgia do tempo

Quase três anos sem você,
Veio a saudade…
Um lar abençoado,
Sem tristezas e mágoas.

Quase três anos sem você,
A saudade e a solidão,
Envolveu a minha vida,
E a tristeza de estar só.

Quase três anos sem você,
Saudades, lágrimas molham meu rosto,
Marcando a ausência, levando as dores,
Deixando a compaixão da ausência.

Nosso lar, sem você,
Tem suas histórias, sua luz.
E eu, com saudade as vezes choro,
A ausência com gratidão.

A saudade chega,
Sem pedir para chegar…
Graças a Deus, tudo passa!!!

 
Agosto/2016
Regyna Marques

“Os Aforismos do Ciberpajé Edgar Franco” (130)

A ALAMI – Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba está
comemorando 20 anos de existência! Tenho a alegria e honra de ser
membro dessa instituição importante para a cultura de minha amada
cidade natal, figurando ao lado de grandes nomes das letras, artes e
música com respaldo nacional e internacional. Parabenizo aqui o
incansável e incrível presidente da ALAMI, Enio Ferreira, que além de
talentoso escritor tem batalhado incansavelmente pelo desenvolvimento
da cultura em Ituiutaba, com inúmeras ações efetivas diante da
coordenação da ALAMI. Os meus cumprimentos por esse significativo
aniversário estendem-se também a todos os colegas de academia. Sigamos
firmes acreditando nas artes como formas de transformar esse mundo.
(Ciberpajé)
*
Por mais que escondam, e mintam, às vezes a essência do que chamam
“esporte” e “espírito esportivo” vem à tona. Como no caso da atleta
olímpica brasileira do pólo aquático que socou a adversária italiana,
ou do judoca egípcio que se recusou a apartar a mão do adversário
israelense. Sim, esporte é isso: ÓDIO AO OUTRO, OJERIZA DAS OUTRAS
BANDEIRAS! Por isso todo esporte é execrável, sem exceções.
(Ciberpajé)
*
A idiotice chegou até aos raros consumidores de literatura. Agora
existem vendedores que conseguiram convencer imbecis a receberem um
pacote fechado de livros todo mês, um “pacote surpresa”. Nesse tal
pacote as obras foram escolhidas por “curadores literários”. Ou seja,
paspalhos metidos a besta enganando trouxas e fazendo-os pagar por
algo que nem puderam escolher. Que palhaçada ridícula. (Ciberpajé)
*
Enquanto tolos capturam monstros ilusórios, são efetivamente
capturados por doses cavalares de entretenimento alienante criado para
torná-los escravos. (Ciberpajé)
*
Dizem que ratos e baratas herdarão a Terra. Metaforicamente sempre
foram os donos dela. (Ciberpajé)
*
Minha maravilhosa mãe, Alminda Salomão, é uma das pessoas mais
amorosas e compassivas que tive a chance de conhecer e conviver nessa
existência. Sempre usou de sua grande compaixão ativa para ajudar
pessoas e animais, do jeito que pode, cuidando com carinho e sabendo
ser severa e direta quando necessário, pois a verdadeira amorosidade
não é frouxidão e passividade. Minha progenitora é uma mulher
grandiosa, que ensinou-me a amar a feminilidade e a força natural e
única do aspecto feminino cósmico, também com ela aprendi a essência
do “amor sob vontade”. A você, minha mamãe, o meu amor incondicional e
minha gratidão eterna por todo o aprendizado, por todo o carinho que
ajudaram o forjar o que sou. (Ciberpajé)
*
O sorriso aberto, sincero e inocente de uma criança é tão grandioso e
incrível como o nascimento de uma galáxia. (Escrito após maravilhar-me
com o sorriso matinal do meu pequeno notável sobrinho Vigo –
Ciberpajé)
*
Edgar Franco é Ciberpajé, artista transmídia, pós-doutor em artes pela
UnB, doutor em artes pela USP, mestre em multimeios pela Unicamp e
professor do Programa de Doutorado em Arte e Cultura Visual da UFG.
Acadêmico da ALAMI, possui obras premiadas nacionalmente nas áreas de
arte e tecnologia e histórias em quadrinhos. ciberpaje@gmail.com

Noite mágica

As portas do anfiteatro do Conservatório Estadual de Música foram abertas na noite de quarta-feira, dia 10 de agosto, para receber um público especial e apreciadores da boa música. Um grande público teve o privilégio de assistir ao vivo a apresentação da Orquestra de Cordas “Sons e Sonhos”, importante e festejada do meio musical de Ituiutaba, sob a batuta do Maestro Rogério Izamar dos Santos. Composta com músicos tarimbados como Severino Ramos, Abnader Domingues, entre outros tantos e promissores alunos do Conservatório.

O regente Rogério Izamar dos Santos e seus músicos provaram que a Orquestra de Cordas pode sim combinar a música clássica e a popular. O show de quase duas horas se tornou impecável, desde a abertura com Palladio (Karl Jemckins) passando por Beethoven,s 5 Secrets, Billie Jean de Michael Jackson, Carinhoso de Pixinguinha até o sensacional Smoky Mountain Hoedawn de Carl Strommen, que encerra a apresentação. Show de talento e bom gosto. Maravilha!

Tudo isto para comemorar os 20 anos de existência da ALAMI – Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba – Claro que existem mil maneiras de se festejar um aniversário, mas, esse foi, com certeza, uma das melhores. A ALAMI se beneficiou da boa vontade dos músicos do Conservatório que ofereceu um espetáculo musical que, por certo, ficará na saudade dos felizes convidados.

 

Viva a ALAMI! Viva a Música! Viva Ituiutaba!

INTERDEPENDÊNCIA

Já é consenso entre os estudiosos do assunto, que houve, nas últimas décadas, uma mudança radical na sociedade moderna. As relações eram firmadas mais na individualidade, na independência e no egoísmo. Desde o relacionamento conjugal, onde cada cônjuge tinha seu papel definido, o homem provedor e a mulher dona de casa. As coisas aconteciam muito lentamente, principalmente no que respeita a comunicação. As mudanças eram lentas e as regras do jogo social eram predefinidas, o mundo era estático. Tudo era muito previsível. De repente, com o desenvolvimento da tecnologia da comunicação, tudo começa a mudar e numa velocidade espantosa. O mundo se torna imprevisível, complexo e incompreendido principalmente pela geração anterior a essa explosão. Tanto que chega a surgir expressões como: “o mundo está doido, ninguém entende mais nada”.
Bem, para enfrentar esse cenário, o homem atual deve ser artista, criador, inovador e principalmente empreendedor. Mas é preciso que tenha em mente a palavra-chave: INTERDEPENDÊNCIA. Hoje não se faz mais nada sozinho, é preciso levar em conta a diversidade de atividades. Lembrar que as respostas do passado não contemplam as perguntas do momento. Isso por que a sociedade industrial de que nos dá conta a História, segundo os historiadores, está terminando e dando início à sociedade do conhecimento. Isso por conta da evolução científica e da informação. Hoje nada pode mais ser igual, é preciso descobrir, reconhecer e se adaptar ao novo. E nesse reconhecer está presente a dependência um do outro, pois cada um deve saber que é uma parte do todo e o todo depende de cada parte assim com cada parte depende do todo. É a consciência da interdependência. Por isso a palavra mais usada na operacionalidade atual é parceria!
Hoje o senso comum tem mostrado que as ações individuais trazem consequências prejudiciais para todo o sistema. É sabido que todos os sistemas humanos estão diretamente intrincados com outros sistemas biológicos e geológicos, formando o que se costuma chamar a “teia da vida”. E deve ser do sistema humano o privilégio da consciência da necessidade do cuidado para o não rompimento desses fios de vida. Por isso as ações políticas devem desistir de decisões isoladas, restritivas e aplaudir a prevalência da contribuição da diversidade.
Por tudo isso se torna importante que o mundo tome como bússola a importante encíclica do Papa Francisco, Laudato si’, para seguir os rumos dos cuidados com a mãe Terra. É exatamente esse sistema tão uníssono que nos mostra a perfeita integração entre as partes. Tudo na natureza tem seu tempo e espaço, a não ser quando o homem intervém agressivamente obrigando-a dar respostas desastrosas.
É papel do homem, enquanto gestor desse sistema, cuidar de cada ecossistema, entendendo suas dinâmicas, para se tornar parceiro desse processo gigantesco e harmônico e não se deixando levar pela ganância se tornando fator de desiquilíbrio danoso par todos.

 
José Moreira Filho
moreira@baciotti.com

A verdade

(Inácio Góes – a patativa tijucana -)
A verdade não tem curva
Não tem falha nem atalho
Tem peso e não quebra o galho
É justa e não envelhece
Quem é de bem reconhece
As virtudes da Verdade
Sem prazo de validade
Com seu mérito de Grandeza
Amiga da Natureza
E da fiel Honestidade
Tem índole de Bondade
A conduta da Nobreza
É o símbolo da Pureza
E vive da Sinceridade