IX Concurso Contos do Tijuco “JACI DE ALMEIDA”

A L A M I
Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba.
Entidade de utilidade publica municipal – lei 3896.
alamiacademia@yahoo.com.br
www.alami.xpg.com.br

IX Concurso Contos do Tijuco
“JACI DE ALMEIDA”

.Regulamento

1 – A Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba – ALAMI – promove o IX Concurso Contos do Tijuco, uma atividade de caráter literário e cultural sem fins lucrativos, que nessa edição homenageia o saudoso Jaci de Almeida – gráfico.

2 – Poderão inscrever-se escritores de qualquer nacionalidade (desde que o conto seja escrito na língua portuguesa). A inscrição implica na concordância automática com todas as cláusulas desse regulamento.

3 – O conto deverá ser em língua portuguesa, inédito e apresentado em quatro vias digitadas em corpo 12. Cada participante poderá inscrever apenas um conto, sem limite de páginas e sem restrição quanto à forma e ao conteúdo. O concorrente é único e inteiramente responsável por garantir que seu conto seja inédito, sendo responsável, civil e criminalmente, em caso de plágio.

4 – O conto deverá ser enviado em um envelope grande e lacrado, identificado na frente com o nome do concurso. Dentro deste envelope os concorrentes deverão enviar um envelope menor, também lacrado, identificado na parte externa apenas com o título do conto e o pseudônimo utilizado e este envelope menor deverá conter uma folha com os seguintes dados: – nome do conto e pseudônimo, nome completo do autor, e-mail, telefone para contato e pequena biografia.

5 – O prazo para a inscrição termina, impreterivelmente, no dia 31 de outubro de 2014, valendo a data do carimbo do correio. Enviar a inscrição para o seguinte endereço:

ALAMI – Academia de Letras, Artes e Música de Ituiutaba –.
Avenida Três, entre Ruas 18 e 20 nº 240 – Casa da Cultura –
Ituiutaba –MG – CEP 38.300.160.

6 – Os contos serão julgados por uma Comissão Julgadora formada por três membros, de notória competência na matéria, não pertencentes à ALAMI.

7 – Ao autor do conto premiado será oferecido como prêmio a quantia de R$400, OO (quatrocentos reais) e certificado e livros da biblioteca da ALAMI.

8 – O conto premiado será publicado no blog da ALAMI – solardaliteratura.blogspot.com.br – e outros sites literários que prestam serviços de divulgação de concursos de contos. A Comissão poderá selecionar mais nove contos, sem classificação, para possível publicação em livro.

9 – O resultado do concurso sairá numa data bem próxima do dia 11 de dezembro de 2014 ou, imediatamente ao término dos trabalhos da Comissão Julgadora. O resultado do concurso será divulgado no blog: www.solardaliteratura.blogspot.com.br – e outros sites literários que colaboram com a ALAMI na divulgação de concursos de contos.

10 – A entrega do prêmio ao ganhador do Concurso e a entrega do “Certificado de Participação” aos autores dos nove contos selecionados será em data a ser informada. – pelo telefone ou e-mail -.

1 – Poderá a Comissão Julgadora deixar de outorgar o prêmio se avaliar que a ele nenhum dos contos faz jus. (não haverá devolução dos contos recebidos, que serão incinerados logo após o julgamento).

12 – Poderá a ALAMI publicar um livro com o conto vencedor e os nove contos selecionados pela Comissão Julgadora.

13 – As decisões da Comissão Julgadora são irrecorríveis.

14 – Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela ALAMI

Ituiutaba, 1º de Agosto de 2014.
Comissão Organizadora:
Regina de Souza Marques Almeida – Coordenadora de Concursos-
Membros:
Sonone Luiz Vilela Junqueira
Adelaide Pajuaba Nehme
José Moreira Filho
José Maria Franco de Assis
Enio Eustáquio Ferreira

CP: HD – FCI/ALAMI – agosto/2014

 

Alunos da Escola Municipal Salim Bittar fizeram visita guiada a Casa da Cultura (MUSAI)

Alunos do terceiro e quarto ano da Escola Municipal Salim Bittar visitaram nesta quarta-feira, 25, a Casa da Cultura (MUSAI), com o objetivo de conhecer os fatos e os objetos antigos que fazem parte da história desse município, dentro do projeto de Educação Patrimonial (Projeto Educar).
A exposição de fotos vista pelos alunos mostra como era esta cidade no passado e tinha, o carro de boi como o seu principal meio de transporte. Os alunos viram vários outros objetos que eram usados pelos nossos antepassados, como: o ferro a brasa, o pilão, torrador de café, a roda de fiar, o catre (cama), o lampião a gás, coberta feita de crina de animais e vários outros objetos, além de se inteirarem de fatos que ocorreram nesta cidade desde a sua fundação, bem como, os alunos conhecerem a história do prédio onde funciona o MUSAI.
Segundo o coordenador da Casa da Cultura (MUSAI), Luciano Barbosa, os alunos ficaram encantados com gama de informações colhidas naquele museu que guarda a história desta cidade desde a sua fundação e a luta de seu povo, para alcançar o estágio que esta cidade se encontra hoje, em franco progresso e desenvolvimento, se tornando uma das vinte e cinco maiores cidade do estado de Minas Gerais.
A próxima etapa do projeto de Educação Patrimonial (Projeto Educar) será a realização de uma feira cultural, em ambas às escolas que integram esse projeto, previstas para acontecerem nos dias 8 e 9 de outubro de 2014.

 

 

Saiba mais sobre Ituiutaba, acesse: www.portalituiutaba.com.br
(Ituiutaba, 26 de setembro de 2014)

Na reunião do Conselho Curador da Fundação Cultura de Ituiutaba teve palestra contra as drogas

Em reunião realizada na noite desta quarta-feira, 24, do Conselho Curador da Fundação Cultural desta cidade, além de vários assuntos relacionados a cultura no município foi proferida uma palestra contra as drogas, proferida pelo presidente da entidade Amor Exigente, Antônio José Rissato.
A reunião foi aberta pelo presidente do Conselho, professor José Moreira Filho, que saudou os presentes e passou a anunciar os assuntos a serem tratados naquele encontro. Foi destacado que a cidade de Ituiutaba a exemplo das demais cidades desta região do Triângulo Mineiro sofre com a estiagem e com a falta d’água. Como água é imprescindível a vida, e por ser um tema cultural, o presidente Moreira solicitou dos conselheiros sugestões que pudessem colaborar com o órgão (SAE) responsável pela captação, tratamento e distribuição de água à população como forma de contribuir com a economia desse precioso liquido, diante da grave crise que passa a distribuição pela falta de chuva e pela falta de consciência de usuários que desperdiçam água, quando a cidade está a beira de um racionamento, porque o Ribeirão São Lourenço está quase seco e o Rio Tijuco que está sendo usado para captação também já está com pouco volume de água.
O conselheiro Ênio Ferreira, que é presidente da ALAMI, sugeriu que fosse feito um concurso de redação com o tema “Economia de Água, aonde os estudantes de 5° ao 9° anos estariam envolvidos culturalmente nessa luta e consequentemente estariam ajudando a disseminar essa ideia de economia de água para toda à população. Sugestão foi aceita.
Em seguida a palavra foi passada a vice-presidente da Fundação, Adriana Vilarinho de Oliveira Moura que falou sobre o sucesso da realização do Concurso de Contos de Ituiutaba “Águas do Tijuco”, em sua terceira edição, afirmando que houve centenas de inscrições nessa edição do concurso, inclusive de brasileiros residentes no exterior. Relatou que a comissão escolhida de professores de notório saber, para julgar os contos inscritos já foi indicada pela fundação e que até o início do mês de outubro, os contos inscritos serão entregues a eles para serem analisados e escolhido o conto vencedor e os demais que farão parte do livro que todo ano publica o conto vencedor e os outros nove mais destacados.
Posteriormente a palavra foi passada ao presidente da Fundação Cultural, professor Francisco Roberto Rangel que fez um resumo das principais atividades culturais realizadas pela Fundação em parcerias com empresas e entidades de Ituiutaba, nesse mês de setembro.
O presidente destacou a importância da parceria feita com o Grupo Algar Telecom que trouxe o projeto Diversão e Arte com grande show com o consagrado conjunto mineiro Pato Fu e os Saltimbancos com o Grupo Emcantar, com apresentações inesquecíveis na Praça da Prefeitura. Destacou a parceria com a Secretaria de Educação, Esporte e Lazer, na realização do PELC e do projeto Arte na Comunidade 2, com a Contação de História nas escolas do município e apresentação de teatro na Praça Getúlio Vargas, com a encenação da História do Pontal de Minas e o Mágico de Oz. Parceria para o desfile de 7 de setembro com apresentação das bandas José Castanheira e Mirim Elias Antônio Daia, Ballet e Grupo de dança; Projeto de educação patrimonial (Educar); aquisição de monjolo exposto na Galeria de Antiguidades. Destaque – foto do MUSAI na capa da revista do Conselho Regional de Contabilidade, de circulação em todo estado de Minas. Catira e bandas da Fundação na FECIT; apoio para realização do Encontro Regional da Mulher Rural – show com Matheus Melo; e parceria com o SESI – Circo SESI, espetáculo “Os Deuses da Indústria, e etc.
Posteriormente a palavra foi passada ao presidente da entidade, Amor Exigente, José Antônio Rissato que destacou em sua palestra contra as drogas, o fortalecimento da família no processo de recuperação de um dependente químico, mostrando os caminhos que devem ser percorrido no sentido de poder ter de volta a vida normal uma pessoa que se envereda pelos caminhos das drogas, citando como umas das diretrizes para o sucesso desse processo, o exemplo da família, ou seja, dos pais que por ventura tenham um filho ou uma filha drogados. Em seguida o presidente da Fundação, professor Rangel agradeceu a presença dos conselheiros e cumprimentou o palestrante pelo conteúdo da palestra proferida, e se colocou a disposição para parcerias que ajudem a fortalecer essa luta titânica contra as drogas. Como não havia mais nada a tratar o presidente do Conselho Curador, José Moreira Filho, encerrou a reunião.

Estudantes do CAIC visitaram o Museu Antropológico de Ituiutaba

No mês do aniversário de Ituiutaba, estudantes do primeiro ao quinto ano da Escola Municipal Aureliano Joaquim da Silva (CAIC) visitaram o MUSAI – Museu Antropológico de Ituiutaba, com o objetivo de conhecer a sua história, bem como um pouco mais da história desta cidade de Ituiutaba fundada em 1820, pelos donatários de suas terras, José da Silva Ramos e Joaquim Antônio de Moraes vindos do sul de Minas. A cidade recebeu inicialmente a denominação de Arraial de São José do Tijuco, e pertencia à cidade de Prata.
A partir de 1901, se emancipou da Comarca de Prata, com o nome de Vila Platina, mais tarde, a partir de 1915, por uma resolução, do então senador Camilo Chaves recebeu o nome de Ituiutaba que significa: I – Rio, TUIU – Tijuco, TABA – Povoação (Cidade). Ituiutaba cidade do Rio Tijuco. Todos esses dados foram pesquisados pelos alunos nos três dias de visita: 17, 19 e 24 do mês em curso, nos manuscritos e na exposição de fotos existentes no MUSAI.
A exposição de fotos mostra como era esta cidade no passado; a cidade da congada, do carro de boi, de vários outros objetos do meio rural, além desses alunos conhecerem a história do prédio onde funciona o MUSAI. O prédio foi construído em 1913, por pessoas religiosas desta cidade que se preocupava com a saúde da população, inicialmente era uma construção bem modesta, foi reformado e ampliado, e a partir de julho de 1925, foi inaugurado sob os auspícios da Entidade São Vicente de Paulo, com o nome de Santa Casa de Vila Platina.
Segundo o coordenador do MUSAI, historiador Luciano Barbosa, os alunos ficaram encantados com a riqueza de informações colhidas naquele museu que guarda um pouco da história desta cidade, sua origem e a luta de seu povo para alcançar o estágio que a cidade se encontra hoje, em franco desenvolvimento, se tornando uma das maiores cidade do estado de Minas Gerais, Cidade Pólo e Universitária.

 
Saiba mais sobre Ituiutaba, acesse: www.portalituiutaba.com.br
(Ituiutaba, 22 de setembro de 2014)

Medo de médicos

 

Whisner Fraga é escritor. Contato: wf@whisnerfraga.com.br

Minha família nunca foi de frequentar médicos e eu acho que entendo isso. Herdei esse medo deles. Até onde sei, esse receio é generalizado, mas um pouco mais agudo em países em desenvolvimento, caso do Brasil. Não digo que o exercício da medicina tenha de ser uma espécie de profissão de fé, mas misturar lucro com doença pode ser complicado. Junte-se a isso o fato de que não temos um sistema público de saúde que garanta atendimento de qualidade aos cidadãos e temos uma bomba-relógio de insegurança e risco.
Há, como todos sabem, uma confraria de médicos, que tenta um extra por meio dessa rede de contatos: um indica o outro, que indica um laboratório para exames, que indica uma clínica confiável e lá se vão rotinas que os convênios não cobrem, lá se vão procedimentos que ainda não foram catalogados pelos planos de saúde, uma vez que se trata de aparelhos novos no mercado, importados a custos exorbitantes. Assim, o pobre usuário, que se acha seguro porque pode desembolsar oitocentos, novecentos reais ao mês por um contrato que prevê 80% ou mais de exceções, começa a ter medo de ficar doente.
Então, ignora os avisos do tipo “ao persistirem os sintomas o médico deverá ser consultado” e parte para a automedicação. Nada de condenável nisso, se pensarmos no outro lado da moeda. Assim, outro dia fui a um consultório para exames de rotina e saí com uma cirurgia marcada. Pedras no rim. Lógico que preferi ignorar o diagnóstico e, além de consultar outro especialista, resolvi beber mais água, de modo a expulsar as visitantes do meu corpo. Nem preciso dizer que alguns profissionais ganham horrores com uma intervenção do tipo, né?
Não estou fazendo apologia nenhuma aqui. Defendo firmemente que todos devemos ter um ou mais médicos de confiança e nos tratarmos com eles. Mais: na dúvida, consulte cinco, seis ou mais. Se o diagnóstico bater mais de duas vezes, pronto, há uma grande chance de terem descoberto sua doença. É o primeiro passo. O segundo é o tratamento. Faça novamente a peregrinação: cirurgia, drogas, terapia alternativa? A decisão deve ser sempre do paciente.
Mas há aqueles que dependem do SUS, o que torna a equação demasiadamente complicada. Foi o que parece ter ocorrido com duas garotas, em Ituiutaba, no início deste ano. Não posso afirmar o que aconteceu exatamente, pois só acompanhei o caso pela imprensa local, mas sei que as duas morreram. Parece que uma CPI está tratando do assunto e ela nos dirá se houve negligência, imperícia ou se foi apenas uma inevitável fatalidade. O que não pode ocorrer é o cidadão ficar sem respostas, pois isso alimenta o medo, citado no início desta crônica.
É preciso que todos nos conscientizemos de que a vida é um bem bastante precioso e que deve ser respeitada acima de qualquer ambição. E que, quando houver um erro, sejam apuradas as causas e punidos os responsáveis. É assim que acontece em toda profissão, por que seria diferente na medicina?

 
CP: HD – FCI/ALAMI – setembro/2014

“Os Aforismos do Ciberpajé Edgar Franco”(34)

Em nenhuma hipótese devemos cultivar a dor. Sim, ela é parte do
processo evolutivo, do desenvolvimento da integralidade do ser.
Devemos aceita-la como é, experienciá-la e continuar nosso caminho,
mas jamais cultuá-la, alimentá-la, ou desejá-la. Se assim o fizermos,
estejamos preparados para a completa estagnação. (Ciberpajé)
*
Não tema nunca o que os outros vão pensar do que você criar, seja
livre, leve e intenso. Jamais ouça os freios estéreis da razão, não
deixe a mente silenciar seu coração, pois tudo que é verdadeiramente
criativo e vivo surge do coração. A mente repleta de teorias e
conhecimento pode tornar-se um crivo para a criação, agindo como
censor a todo momento, questionando as inspirações puras e os
insights, por isso quando for criar, desvencilhe-se de todas as
teorias, jogue todo o conhecimento prévio no lixo, torne-se puro e
inocente como uma criança. Só assim surge a criação genuína.
(Ciberpajé)
*
É impressionante como um pouco de POMPA e CERIMÔNIA faz idiotas
acreditarem em salafrários tapeadores. Vejo isso na academia todos os
dias, senhores pesquisadores de merda, que se enchem de pompa e ganham
respeito. Idiotas condutores de seitas de fundo de quintal, que se
enchem de pompa cerimonial e seduzem homens falsamente inteligentes.
(Ciberpajé)
*
A astúcia do falso guru é preencher seus pseudo-ritos de elementos
herméticos que parecem estranhos e altamente complexos aos olhos do
leigo impressionado. O curioso é perceber que mesmo homens
aparentemente sagazes, adogmáticos ou até ateus, são seduzidos por
esse discurso, e passam a acreditar em idiotas e em seus poderes
somente pela pompa e hermetismo de seus jogos de cena. No final são
idiotas conduzindo hiperidiotas. (Ciberpajé)
*
Vejo meninos perdidos se dizendo adogmáticos, mas que inadvertidamente
se entregam ansiosamente ao primeiro guru de beira de esquina que lhes
promove um mínimo êxtase. O dogma não é só o das grandes religiões
instituídas, mas também o dos pseudo-gurus de seitas que não se
apresentam como seitas. Seja seu único deus, liberte-se da égide de
outros que dizem saber, mas são crianças perdidas como você.
(Ciberpajé)
*
Edgar Franco é Ciberpajé, artista transmídia, pós-doutor em artes pela
UnB, doutor em artes pela USP, mestre em multimeios pela Unicamp e
professor do Programa de Doutorado em Arte e Cultura Visual da UFG.
Acadêmico da ALAMI, possui obras  premiadas nas áreas de arte e
tecnologia, performance e histórias em quadrinhos.

 

 

 

CP: HD- FCI/ALAMI – setembro/2014

 

Conflito e Confronto

É preciso distinguirmos bem esses dois conceitos, mais na prática do que na semântica. Pois ambos nos dão a noção de enfrentamento, o que os difere frontalmente da chamada zona de conforto. Enquanto, etimologicamente, o conflito nos conduz mais à ideia de “golpear”, “atacar”, que evoca, obviamente, o conceito negativo de guerra, luta, disputa, agressividade, o confronto me parece nos aproximar mais do campo ideológico, na defesa de conceitos e princípios. Mas com esse preâmbulo, queremos mesmo é discutir a comparação de zona de conflito com zona de conforto na esfera pessoal.

As correntes psicológicas nos dizem que a zona de conforto é prejudicial, por conta de sua estaticidade e do embotamento do crescimento. Além de que o conforto não é eterno. Em algum momento toda pessoa terá de enfrentar um problema e se não está acostumada a mudanças, o desconforto será bem maior. Então é comum ouvirmos: é sempre difícil vencer a relutância natural, para algo de novo que retira as pessoas da sua zona de conforto. É preciso lembrar ainda que a zona de conforto, principalmente num regime capitalista, é fortemente representada pela independência financeira, daí a preocupação constante com o ter. Quanto mais ter, mais poder. E esse aparente poder conduz ao conformismo – já tenho o suficiente, não preciso mais, posso me aquietar. E se acomoda ao status quo. Esse conformismo leva à aceitação de tudo que nos cerca, às vezes até temos consciência da necessidade da mudança, mas o medo do desconhecido não nos deixa romper barreiras. Teme-se o risco eventual, esquecendo-se que a própria vida é o maior risco.
Não é preciso esperar a terceira ou quarta idade para abdicar da sua zona de conforto e dizer o que pensa, agir como queira, mesmo que isso implique em conflito interno, pois assim, escutando seus sentimentos, expressando suas ambições e ouvindo seus sonhos, estará reforçando sua identidade, aflorando curiosidades e deflorando mistérios. É claro que estamos falando de caracteres bem formados e personalidades embasadas em boa formação de berço, que terão como expressão princípios lógicos e congruentes. São essas mentes que, antes de procurar por respostas na vida, se preocupam em fazer as perguntas corretas.
O alerta que se deve ter é com o conformismo provocado pela pressão do grupo. Sugestionada, pela aparente vontade da maioria, a pessoa é levada a concordar, mesmo duvidando da correção de tal postura. Daí esse fato se tornar uma desculpa para a sua apatia – eu concordo com a maioria. Nessa situação eu me dispenso de pensar e por temor ao ridículo, me abstenho de expor minha vontade. Mas nunca é tarde para mudar alguma coisa e como diz a canção: “Tente outra vez,…você tem dois pés para cruzar a ponte…não pense que a cabeça aguenta se você parar…queira, basta ser sincero e desejar profundo você será capaz de sacudir o mundo.”

 
José Moreira Filho
www.josemoreirafilho.com.br

 

 

CP: HD – FCI/ALAMI – setembro/2014

Honestidade      

                                                                     Saavedra Fontes

 

È triste a constatação, perdemos a confiança em nossos semelhantes e a crise geral é de honestidade. Para sermos mais explícitos, já não existem mais ingênuos simples e otários, no mundo de hoje. Mesmo sem talento todos querem passar por espertos, como se o termo amenizasse a pecha de “desonesto”, que é a palavra correta.

O honesto nos dias atuais é visto como um visionário, sonhador, idealista sem futuro, nefelibata sem racionalidade e valor, visto com maus olhos pelos próximos e distantes que os têm como tolos, covardes ou falsos, na melhor das hipóteses. A maioria dos políticos é corrupta, não goza de bons conceitos, mas consegue sistematicamente se reeleger, uma aberração aceita pelos eleitores. Os meios de comunicação estão sempre nos revelando novos escândalos, que parecem se multiplicarem cada vez mais. Cristo foi transformado num produto de mercado tão atraente, que religiões se enfrentam na mídia como empresas de forte concorrência. E a nossa fé se definha, martirizada e surpresa.

Se para fugirmos ao estresse de uma vida cheia de trabalho e preocupações, escaparmos do tédio, torcermos por um clube de futebol depositando nele toda a nossa emoção, ficamos sujeitos  às decepções. Os acordos, arranjos e desarranjos escusos dos chamados cartolas, que vêm nesse esporte mais do que uma simples diversão do povo, são uma indústria de interesses particulares ambiciosos e pouco elogiáveis.

As chamadas loterias que infestam o país, nada mais são que estereótipos dos jogos de azar, oficializados pelo governo que os aceita de forma legalizada e os proíbe nos meios privados. Mesmo com sorteios ao ar livre e na presença de público numeroso são cercadas de dúvidas e descrenças, tudo porque a honestidade não é levada a sério e o espírito de corpo é ponto de honra entre a maioria dos parlamentares.

Por isso vinga entre nós a ideia de que o mundo é dos velhacos, as pessoas corretas não passam de tolas e sem ambição. Toda essa inversão de valores sempre existiu como parte de nossa herança cultural, e foi sedimentando-se com o progresso dos meios de comunicação, que provocam o sensacionalismo para angariar audiência sem o devido cuidado com a influência das palavras e das imagens. O rádio e principalmente a televisão, invadiram todos os lares, do mais humilde casebre a mais luxuosa mansão, levando o deboche, a hipocrisia, a luxuria, os maus exemplos, a falsa realidade que foi aceita como forma moderna e correta de viver.

A violência, a pornografia, a falta de escrúpulos de uma programação voltada para o baixo consumismo, iludindo jovens incautos e sem estrutura educacional, vão se associando à miséria do corpo e do espírito para transformar o Homem no lixo social. Por isso a violência generalizada e a ausência de leis severas que a contenha.

 

 

CP: HD – FCI/ALAMI – setembro/2014

Cronologia na divisão do tempo

Segunda teoria lógica, e encarando a realidade, envelhecer é o único meio de se viver mais; claro que, com as limitações que o tempo impõe, de forma generalizada. Existe um estreito relacionamento nas definições de pensadores anônimos e vividos. Reservamos o direito aos comentários, devidos ou indevidos: -O que mais atormenta em relação às tolices praticadas na juventude, não é o fato de tê-las cometido, mas sim, não poder repeti-las… Infelizmente é sem dúvida uma queixa da velha guarda, principalmente dos varões, dos garanhões de plantão… Dizem ainda:
-Várias pessoas não chegam aos oitenta anos, porque perderam muito tempo, tentando ficar nos quarenta… O sexo frágil, se prima por essa postura… Absolvição aos homens…
– Aos vinte anos reina o desejo, aos trinta reina a razão, aos quarenta o juízo, aos sessenta a conformação… Claro que depende da forma de se encarar e levar a vida…
– O que não é belo aos vinte, forte aos trinta, rico aos quarenta, sábio aos cinquenta, nunca mais o será… Milagres acontecem, um mega prêmio na loteria talvez mude alguma coisa…
-Quando se passa dos sessenta, poucas são as coisas que nos parecem absurdas… O tempo é sem dúvida o grande aliado do conhecimento, na experiência, na vivência…
– Os jovens pensam que os velhos são bobos; os velhos sabem, que os jovens o são… Caminho percorrido é caminho conhecido…
– Nada passa mais depressa do que os anos… Pura realidade… Em benefício de uns, em prejuízo de outros…
– A iniciativa dos jovens vale tanto, quanto a experiência dos velhos. Acredita-se que em determinados casos até funciona, o potencial do jovem é fabuloso.
-Todos desejam chegar à velhice, e todos negam tê-lo chegado… As cirurgias, os botox, confirmam… Todos querem ter aparência jovial…
-Não entendo isso dos anos: Que todavia é bom vivê-los, não tê-los… Realmente é uma questão que ninguém entende, porém explicável… -A cada idade lhe cai bem uma conduta diferente… É sem dúvida ato de liberdade, cada um vive como quer… Alguns confundem, dá pena…

 
Adelaide Pajuaba Nehme- Acadêmica da ALAMI
CP: HD – FCI/ALAMI – setembro/2014

Projeto Educar – “Conhecendo o Museu” em visita guiada

Sob a coordenação da Fundação Cultural desta cidade aconteceu na última quinta-feira, 11, a visita guiada a Casa da Cultura (MUSAI), quando os alunos do 4º e 5º anos da Escola Municipal Nadime Derze foram conhecer dados da verdadeira história do município de Ituiutaba. A Casa da Cultura visitada, representa um marco em nossa história, pois foi em 1913, moradores da então Vila Platina começaram a planejar a construção de um prédio, para mais tarde abrigar aquele que seria o primeiro hospital desta cidade. Essa vontade dos moradores se concretizou, pois em julho de 1925, através da entidade São Vicente de Paulo, inaugurava-se a Santa Casa de Vila Platina, primeiro nome do hospital São José. Esse prédio construído em 1913 abriga hoje a Casa da Cultural (MUSAI), que guarda memórias desse povo destemido e empreendedor. Todos esses dados estão guardados nas onze salas do prédio que recebeu a visita desses alunos da escola Nadime Derze, que puderam pesquisar esses dados que compõem uma parte da história desse município.

Alunos da Escola Municipal Nadime Derze em visita Guiada no MUSAI
Os alunos visitaram: Sala da congada, sala de instrumentos rurais, sala de imagens fotográficas de Ituiutaba do passado e maquinas fotográficas, sala maquina de tear e roda de fiar, salas onde estão, ferro à brasa, pilão, lampião a gás, catre, cristaleira antiga com louças e com peças esmaltada, mão de pilão,torrador de café, etc.

Alunos, professores, e tecnicos da Fundação  em visita Guiada ao MUSAI
Participaram da visita guiada ao MUSAI (Casa da Cultura): diretora da escola Nadime Derze, Maria de Lurdes; professoras Solimones Resende de Oliveira, Andrelina de Souza Oliveira, o historiador Luciano Barbosa e a supervisora do projeto de ICMS Cultural Neila Alves dos Santos.
Sequenciando o Projeto Educar, a próxima etapa, após a vista guiada que os alunos da Escola Municipal Salim Bittar farão a Casa da Cultura (MUSAI), será a realização de uma Feira Cultural, nas duas escolas participantes do projeto, em datas ainda a serem marcadas.

 

GERSON ABRÃO- HOMENAGEM

ILUSTRE FILHO DE ITUIUTABA FALECE EM UBERLÂNDIA

 

 
A sociedade Ituiutabana recebeu com muito pesar, a notícia da partida do filho ilustre, GERSON ABRÃO. Residente em Uberlândia por vários anos, não se esquecia da Terra Tijucana e principalmente dos familiares e amigos aqui deixados. Ser humano fabuloso, gentil, recebia com alegria os conterrâneos que por lá aportavam. Advogado, político por convicção, professor, chefe de família, sempre pautou sua vida dentro dos princípios nobres e de valores expressivos. Coerente, generoso ao extremo, sempre procurou atender reivindicações, inclusive dos conterrâneos, que o procuravam…
Esteve ao lado dos ex-prefeitos Virgílio Galassi e Odelmo Leão, durante suas gestões, exercendo seu profissionalismo com lisura e dedicação. Em Ituiutaba, além de vereador, ocupou cargos relevantes, com admiráveis folhas de serviços, baseados em sua competência e dedicação.
Na Academia de Letras Artes e Música de Ituitaba-ALAMI, ocupou a cadeira no 11, cujo Patrono era Alexandrino Garcia.
Em nome de minha família, da ALAMI pelo seu presidente Ênio Eustaquio Ferreira, e dos Acadêmicos, abraçamos efusivamente seus familiares, representados pela querida amiga Larissa, rogando ao Criador, muita tranquilidade e conforto a todos.
Que nosso amigo Gerson, já descanse em paz.

 
Adelaide Pajuaba Nehme- Acadêmica da ALAMI